quarta-feira, setembro 27, 2006

Bolo branco

Para não parecer que postei a foto do bolo que fiz para a minha sogra gratuitamente, vou postar também a receita de bolo branco que usei.

Li no Baking Sheet (de onde tirei esta receita) que um bom baker tem que ter as receitas perfeitas de bolo de chocolate e de bolo branco. Concordo.
Tenho uma de bolo de chocolate muito boa - além de saboroso, o bolo tem uma maleabilidade ótima para ser cortado e recheado, além de ser firme o suficiente para ser coberto com pasta americana (que é bem pesada). Eu buscava isso numa receita de bolo branco - a que usava era, sim, gostosa e firme, mas faltava algo...
Pão de ló costuma ser seco demais, então não uso.
A receita que fiz no final de semana preencheu todos os requisitos. Na hora em que tirei os bolos do forno, o aroma era tão delicioso que tive vontade de cortar um pedaço e comer imediatamente!! Isso não costuma acontecer. :D

Reguei o bolo com um xarope feito de 1 parte de açúcar para 4 partes de água, aromatizado com essência (tem que ter cuidado na hora de molhar o bolo, senão ele fica mole demais). Recheei com doce de leite e cobri com pasta americana.

Bolo branco

240ml de leite, em temperatura ambiente
6 claras
1 colher (chá) de extrato de amêndoa - usei essência
1 colher (chá) de extrato de baunilha - usei essência
315g de farinha de trigo
350g de açúcar
4 colheres (chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de sal
170g de manteiga, amolecida

Pré-aqueça o forno a 175ºC.
Unte duas formas redondas de 22cm, forre o fundo com papel manteiga e unte o papel. Polvilhe tudo com farinha de trigo.
Misture levemente o leite, as claras (sem bater, mesmo) e as essências usando um garfo. Reserve.
Coloque a farinha, o açúcar, o fermento e o sal numa tigela de batedeira com o batedor em forma de pá (eu não tenho, então usei os comuns mesmo), junte a manteiga e bata até obter uma textura parecida com areia úmida.
Adicione a mistura de leite, reservando 120ml, e bata em velocidade média por 1 minuto e meio. Acrescente o restante da mistura de leite e bata em velocidade alta por 30 segundos - não bata demais.
Divida a massa entre as assadeiras e asse por 30-35 minutos (faça o teste do palito). Os bolos ficam bem amarelinhos por cima e mais branquinhos por dentro.
Deixe esfriar por 15 minutos nas formas e depois coloque em grelhas para esfriar completamente antes de confeitar.

terça-feira, setembro 26, 2006

Douillon (pêra assada envolta em massa folhada)

A carinha da sobremesa não ficou bonita como eu queria (culpa minha), mas o sabor ficou muito bom. Para quem gosta de frutas assadas (adoro!), é uma opção bárbara.
Receita do site Basílico.

Se alguém não gostar de pêra, acho que ficaria bem gostoso também com maçã. O toque das nozes no recheio é delicioso.

Ah, adivinhem se não esqueci de pincelar a massa com gema?? :S

Douillon (pêra assada envolta em massa folhada)

4 pêras pequenas e maduras
4 colheres (sopa) de açúcar
4 colheres (chá) de canela em pó
2 colheres (sopa) de nozes picadas
4 quadrados (de 15 cm x 15 cm) de massa folhada aberta e gelada - comprei 1 pacote de 300g e sobrou um pedacinho
1 gema para pincelar
chantilly ou sorvete de creme para acompanhar

Descasque as pêras, retirando miolos e cabinhos. Role as pêras na mistura de açúcar e canela e coloque, cada uma delas, sobre um quadrado de massa folhada. Misture as nozes ao restante do açúcar com canela e com esta mistura preencha as cavidades das pêras.
Dobre as pontas da massa, moldando para que as frutas fiquem completamente fechadas e com o formato original. Descarte o excedente de massa, formando um cabinho na ponta. Com o restante da massa, corte folhas e cole-as ao lado do cabinho com um pouco de gema (ooops, não fiz isso). Pincele toda a massa com gema.
Leve a assadeira à geladeira por 10 minutos enquanto aquece o forno a 200ºC (forno quente).
Leve a assadeira ao forno abaixando a temperatura para 160ºC (forno médio) e deixe por 15 minutos. Suba a temperatura para 200ºC (forno quente) para terminar o cozimento (mais 15 minutos, mais ou menos). Ao final do tempo, a massa deverá estar bem dourada e crocante.
Sirva as pêras acompanhadas de chantilly ou sorvete de creme.

Rend.: 4 porções

quarta-feira, setembro 20, 2006

Penne com fundo de alcachofra

Esse macarrão é muito rápido e simples de fazer, porém delicioso!
Para agilizar, deixei os ingredientes picadinhos em cima da pia e depois foi só colocar a água para ferver. Fácil e prático.

A receita pede fundos de de alcachofra congelados, mas usei em conserva - deixei de molho em água fresca por um tempinho para tirar o excesso de sal. Fiz a mesma coisa com as azeitonas.

Outras duas coisas que modifiquei - lá dizia para retirar as peles dos tomates antes de levá-los ao forno. Deixei para fazer isso depois: era só puxar uma pontinha da pele que ela saía inteirinha. Também deixei o alho de lado, preferir usar somente a cebola.

Receita da revista Gula.

Penne com fundo de alcachofra

6 tomates frescos sem sementes e cortados ao meio
2 colheres (sopa) de azeite
1 cebola pequena picada
3 dentes de alho picados
9 fundos de alcachofra congelados
120ml de vinho branco seco
160g de azeitonas pretas, sem os caroços e fatiadas
500g de penne (ou outra massa curta de que gostar)
manjericão fresco a gosto
sal e pimenta-do-reino a gosto

Tempere os tomates com um pouquinho de sal e coloque-os numa grelha acomodada sobre uma assadeira, deixando o lado cortado para baixo (eu não tinha grelha e coloquei-os diretamente na forma).
Leve ao forno prá-aquecido a 200ºC e asse até que fiquem murchos. Tire as peles dos tomates e pique-os em cubinhos.
Numa frigideira grande, aqueça o azeite e refogue a cebola e o alho. Adicione os fundos de alcachofra descongelados e fatiados. Refogue por alguns minutos, regue com o vinho e deixe secar.
Junte os tomates e as azeitonas. Tempere com sal e pimenta.
Cozinhe a massa em bastante água salgada. Escorra-a quando estiver al dente e misture-a rapidamente ao molho na frigideira. Sirva com o manjericão.

Além disso, coloquei uma tigelinha na mesa com parmesão ralado momentos antes de servir.

Rend.: 5 porções

terça-feira, setembro 19, 2006

Mallorcan tumbet

Um casal de amigos queridos foram à minha casa sábado. Foi muito gostoso tê-los por lá: conversamos e rimos bastante.

A Débora é uma amiga que fiz na outra empresa em que trabalhei. Faz quase 1 ano e meio que saí de lá, mas sempre mantivemos contato. Eu e o João fomos jantar na casa dela há alguns meses e foi muito bom! Finalmente conseguimos combinar e eles (ela e o marido, o Denys) vieram nos visitar desta vez.
Fiquei ansiosa pois queria preparar uma comidinha gostosa, que agradasse a todos. Foram muitos dias escolhendo mil receitas e decidindo o que fazer!

Vou compartilhar aqui com vocês as receitas do jantar. Espero que gostem!

Fiz esta receita da Jill Dupleix (sempre ela!) e servi com pão italiano, para beliscarmos antes do prato principal. Foi uma coincidência bacana descobrir que o Denys a-do-ra beringela!

A escolha do prato teve o "dedo" do marido - eu estava folheando o livro, buscando inspiração. Ele viu e falou "Volta! Volta naquela página!" - a foto grande, de cores vibrantes, chamou a atenção dele. Dei uma lida nos ingredientes e ele deu o veredicto: "faz essa para comermos com um pãozinho!". Bati o martelo.

Mallorcan tumbet*

400g de batatas descascadas e em rodelas fininhas
400g de beringela em rodelas fininhas
2 pimentões vermelhos cortados em palitinhos
3 colheres (sopa) de azeite - precisei de um pouco mais
sal e pimenta a gosto

Molho:

1 lata de tomates pelados picados - eu tinha tomates frescos e preferi usá-los (5 unidades)
3 ramos de orégano fresco, ou 1 colher (chá) de orégano desidratado - troquei por manjericão
3 dentes de alho finamente fatiados - troquei por 1 cebola pequena
2 colheres (sopa) de azeite

Prepare o molho: misture todos os ingredientes e deixe apurar, com panela tampada, por 20 minutos (eu refoguei a cebola no azeite, antes). Reserve.

Aqueça uma frigideira grande, adicione o azeite e vá dourando as batatas dos dois lados. Coloque numa travessa e tempere. Faça o mesmo com as beringelas e coloque-as sobre as batatas; tempere. Repita a operação com os pimentões - trabalhe aos poucos, para que haja espaço na panela para os vegetais dourarem por igual.
Por cima dos legumes, espalhe o molho de tomate. Leve ao forno pré-aquecido (180ºC) por cerca de 20 minutos ou até que os legumes estejam macios. Sirva morninho ou em temperatura ambiente.

Rend.: 4 porções

* não achei a palavra no dicionário

segunda-feira, setembro 18, 2006

Esfiha de carne

As comidinhas do dia-a-dia não têm lugar em casa às sextas e sábados à noite. São noites em que comemos pizza, fondue (estamos um pouco obcecados com fondue de queijo, é verdade) ou o "nosso barzinho" - definição de uma tábua pequena de frios, fatias de pão italiano e um potinho de sardela. Cerveja e/ou vinho para acompanhar. Ah, tudo isso enquanto ficamos de preguiça no nosso sofá, vendo algum filme na TV. Delícia.

Semana passada, porém, o João me fez um pedido diferente. Ele queria comer esfiha. Fazia muito tempo que eu não fazia esfiha. Nem sabia onde tinha ido parar a receita que eu sempre usava (receita de vovó).

Peguei a receita no site do fermento Fleischmann. Adorei. A massa é super macia e a quantidade de farinha solicitada é perfeita - não precisa adicionar mais, nem ver ponto da massa. Ela cresce bastante também.
Da próxima vez, entretanto, vou aumentar a quantidade de carne (achei que faltou um pouquinho). Não se esqueça de que o recheio deve estar frio para ser usado.

Fiz metade da receita, usando fermento seco (vou postar assim). Se quiser usar fermento fresco, use 30g (dois quadradinhos) e dissolva na água morna, depois acrescente o restante dos ingredientes.

Esfiha de carne

500g de farinha de trigo
10 g (1 sachê) de fermento biológico seco
1 colher (sopa) de açúcar
1 ovo grande
240ml de água morna (35ºC)
55ml de óleo de soja
1 1/2 colheres (chá) de sal

Recheio:
250g de carne moída - refogue e tempere a seu gosto. Eu usei cebola, azeite e azeitonas verdes picadinhas. Da próxima vez, vou usar tomates tb.

Misture o fermento na farinha. Acrescente os demais ingredientes (deixei o sal por último, para que ele não atrapalhe a ação do fermento). Misture bem e sove até obter uma massa lisa (a danada quase não gruda nas mãos nem no granito). Aqui uma diferença: o site diz para fazer pequenas bolas e deixar crescer, sendo que cada bolinha será transformada numa esfiha depois. O que fiz foi fazer uma bola grande e deixar crescer assim mesmo, sem dividi-la. Cresceu muuuuuuuito!
Abra porções de massa, recheie e feche, formando triângulos. Coloque-os em assadeiras levemente untadas. Cubra e deixe crescer novamente (20 minutos).
Leve ao forno pré-aquecido (180ºC) e asse por 30 minutos, ou até que as esfihas estejam douradas.

Rend.: 16 esfihas de 50g + 1 de 60g (que recheei com nozinhos de mozzarella e folhinhas de manjericão - hum!!!)

Bons modos à mesa

A Valentina me convidou a escrever uma lista de 6 itens de etiqueta pessoal. Coincidentemente, ela fez isso no dia em que eu ia receber amigos pela primeira vez.
Minha situação é parecida com o que a Karen contou: recebemos as pessoas da família (meu pai e meus irmãos, minha sogra e cunhada) e só (o que pretendo mudar daqui pra frente).
Quando ainda era solteira, as refeições em casa eram bem simples: todos juntos à mesa, cada um fazia seu prato. Nunca tivemos situações mais formais em casa, por isso o que vou colocar aqui são impressões minhas, pessoais, de coisas que fui aprendendo ao longo do tempo.

Não tenho muita experiência no assunto, mas vamos lá:

1. Acho importante adiantar os pratos o máximo possível, para não ficar tanto tempo na cozinha quando os convidados já estiverem em casa. E fazer comida que encha a casa de fumaça, nem pensar.
2. Procuro "descobrir" se as pessoas têm algum tipo de alergia ou realmente não toleram certos tipo de alimento. Penso nisso porque não como carne e sofro muito quando vou a algum lugar em que esta é a única opção do cardápio. Não deixo de comer o que me é oferecido, é claro, mas daí a refeição já não é mais tão prazerosa. Para que meus convidados não passem por isso, faço uma pequena investigação de antemão.
3. Cigarro à mesa é totalmente imperdoável. Estraga o clima - o ar fica impossível de ser respirado e o paladar vai pro espaço. Aliás, eu sou chata mesmo e acho cigarro uma grosseria em qualquer lugar.
4. Gosto de arrumar a mesa e usar place mats bonitos, taças, talheres diferentes dos que usamos no dia-a-dia. E também acho que um arranjo no centro da mesa, por mais simples que seja, faz toda a diferença.
5. Palitos de dente. Só os tenho em casa para testar se um bolo está assado ou não e para colorir a minha pasta americana, Deus me livre colocá-los à mesa!! Conheço gente que palita os dentes e isso me causa um enorme desconforto.
6. Celular - acho horrível gente que fica falando no telefone à mesa, enquanto as outras pessoas ficam olhando. Isso é mais comum em restaurantes, não se aplica muito à proposta daqui, mas não podia deixar de citar. Não gosto.

Bem, acho que é isso. Tem outras coisas, mas acho que as meninas já cobriram bem - concordo com tudo o que elas postaram!

sexta-feira, setembro 15, 2006

Bolinhos integrais de canela com banana (ou Cinnamon lovers of the world unite)

Nunca tinha preparado nada com farinha integral. Sempre vejo receitas com ela, não só em sites e livros de culinária como também nos blogs que adoro (estes aí na coluna do lado).
Andei lendo um montão de coisas sobre alimentação saudável, alimentos com baixo índice glicêmico, ingestão de fibras, etc... Fui "influenciada" pela leitura e ontem resolvi fazer algo com a farinha.

A receita base foi essa, mas fiz algumas trocas:
- metade da farinha de trigo pela farinha integral;
- a noz-moscada pela canela (oh, que surpresa);
- a coalhada por iogurte natural;

Além disso, não coloquei cobertura (tentando diminuir o açúcar) e adicionei uma rodelinha de banana no meio de cada bolinho. Pensei também em trocar o açúcar por adoçante, mas não sei calcular a proporção (se alguém aí souber, agradeço!!).

Gostei bastante do resultado - eles ficaram super macios e fofinhos. Para quem não gosta de banana, acredito que um pedacinho de maçã ou pêra substituiria muito bem.

Bolinhos integrais de canela com banana

100g de manteiga em temperatura ambiente
130g de açúcar
1 ovo
110g de farinha integral
100g de farinha de trigo
1 1/2 colher (chá) de fermento em pó
1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1/2 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de canela em pó
120ml de iogurte natural
1 colher (chá) de essência de baunilha
1 banana em rodelas

Pré-aqueça o forno a 190ºC e prepare as forminhas de muffin.
Bata manteiga com o açúcar até ficar um creme. Junte o ovo e bata novamente (eu me embananei nesta parte e juntei o ovo logo de cara. Tudo bem, vamos em frente).
Em outra tigela, misture as farinhas, o fermento, o sal, o bicarbonato e a canela. Vá adicionando a esta mistura o creme de manteiga, alternando com o iogurte (misturado com a baunilha). Misture rapidamente com um garfo, sem mexer demais.
Coloque um pouco de massa em cada forminha, acrescente uma rodela de banana e cubra com mais massa.
Leve ao forno por 25-30 minutos (faça o teste do palito se achar necessário).

Rend.: 12 bolinhos

quarta-feira, setembro 13, 2006

Risoto de limão e parmesão

Muitas pessoas já me disseram que não se animam em cozinhar só para si, quando estão sozinhas. Entendo, mas não encaro assim.
É claro que prefiro cozinhar pra mais gente (adoro!), mas ontem, por exemplo, fui a minha única "cobaia". :D

Estava de olho nesta receita desde que o livro chegou, há um tempo. Risoto é o prato de que mais gosto no mundo, EVER. Comi um de aspargo na minha lua-de-mel que até hoje me dá água na boca quando lembro.

Havia tempos que não preparava risoto, então meu braço ficou meio fraquinho depois de o prato pronto. Mas valeu a pena!! O risoto ficou super cremoso, bem molhadinho, do jeito que gosto. A cada garfada, eu via o queijo derretidinho aparecer, hum!!! Sendo receita da Donna Hay, só podia ser ótima, mesmo!

Comi o pratão aí da foto e depois fiz um repeteco um pouco mais modesto. A receita pede limão siciliano, mas eu não tinha e usei o nosso limão verdinho mesmo.

Risoto de limão e parmesão

20g de manteiga
1 colher (sopa) de azeite
1 cebola picada
1.375ml de caldo de galinha ou legumes - usei o de legumes, acho mais suave
440g de arroz arbóreo ou arroz próprio para risoto
3 colheres (chá) de raspas de casca de limão
50g de parmesão ralado
20g de manteiga (extra)
sal e pimenta a gosto

Aqueça uma panela grande em fogo médio. Coloque a manteiga, o azeite e a cebola e refogue.
Aqueça o caldo e o mantenha em fogo baixo.
Junte o arroz e as raspas de limão à panela com a cebola e refogue por 2 minutos, até que o arroz fique transparente.
Vá adicionando 1 xícara de caldo por vez e mexendo sem parar. Volte a adicionar mais caldo quando o anterior tiver sido absorvido. Continue até que o arroz esteja al dente (25 a 30 minutos).
Desligue o fogo, junte o parmesão, a manteiga e o sal e pimenta, mexa e sirva imediatamente.

Rend.: 4 porções

Bolo de limão

Estava com uma dor de cabeça infernal segunda-feira. Tomei remédio (que me deixa grogue, tenho a sensação de estar andando debaixo d'água), a dor fez de conta que foi embora para voltar com tudo ao chegar em casa, no início da noite.
Uma pessoa normal tomaria um banho, um remédio e ficaria deitadinha, quietinha, descansando para melhorar. O que eu fiz?? Fui pra cozinha!!

Fazia um tempão que estava com vontade de comer bolo. Não os bolos das minhas encomendas, porque estes eu não como (enjoei faz tempo). Um bolo para tomar com um chá, para trazer pro trabalho e beliscar à tarde. Sem pasta americana, ganache ou marshmallow.

Xeretando na Internet, decidi fazer um bolo de limão - adoro coisas azedinhas! Usei uma receita da Nestlé.
Fiz a massa rapidamente e, enquanto o bolo estava no forno, preparei uma comidinha básica pro jantar (arroz, brócolis no vapor, bife acebolado pro marido, omelete de queijo pra mim).

Gostei muito, a textura do bolo é macia e o sabor, ótimo. Azedinho como eu queria (em grande parte, por causa da cobertura). Não usei sementes de papoula, mas posto a quantidade pedida na receita para quem quiser usar.

Só um detalhe: fiz meia receita e usei uma forma de 20cm, mas precisei deixar um pouquinho de massa na tigela, senão o bolo transbordaria. Digo isso porque se alguém resolver fazer o bolo realmente não sei se uma forma de 28cm, como eles indicam, dará conta do recado.

Bolo de limão

5 ovos
240g de açúcar
4 colheres (sopa) de óleo
200g de iogurte natural
raspas da casca de 1 limão
suco de 1 limão
300g de farinha de trigo
3 colheres (sopa) de semente de papoula (opcional)
1 colher (sopa) de fermento em pó

Cobertura:
80g de açúcar
2 colheres (sopa) de suco de limão

Bata as claras em neve com 80g do açúcar e reserve. Bata as gemas com o açúcar restante até ficar fofo e esbranquiçado.
Junte o óleo, o iogurte, as raspas e o suco de limão e meia xícara (chá) de água e incorpore a farinha de trigo. Misture as sementes de papoula e o fermento em pó e, delicadamente, incorpore as claras em neve.
Despeje a mistura numa forma redonda (28 cm de diâmetro) untada e enfarinhada e leve ao forno médio alto (200° C), pré-aquecido, por cerca de 40 minutos ou até ficar dourado.
Misture os ingredientes da cobertura e despeje sobre o bolo ainda quente.

terça-feira, setembro 12, 2006

Pão de canela (Cinnamon swirl bread)

Depois da pedra, ops, digo, pão de canela que me deixou frustradíssima, apresento esta receita -um pão tão delicioso e macio que comi metade do filão de uma só vez, ainda quentinho, saindo do forno (eu deveria ter vergonha de contar isso a vocês, mas tenho que ser sincera).

Achei a massa fácil de fazer, gostosa de pegar - além de ter crescido muuuuito, nas duas vezes em que ficou fermentando. Até fiquei com medo de na hora de assar o pão "vazar" das formas.

Estou ficando cada vez mais fã do fermento seco. Gosto muito do fresco, mas se a gente bobear um pouquinho ele vence na geladeira e daí o destino é um só: lixo. Já o seco fica lá no armário, bonitinho, para quando a vontade de fazer pão bater de repente (e a preguiça de ir ao mercado vier junto).

A receita dizia que a massa era elástica - e é, mesmo. Já nos primeiros passos, na batedeira, dava para perceber isso. Depois de sovar, deixei crescer por 1 hora (deu pra ver "House" até o final!!). Depois, mais 35 minutos.
Eu só tenho uma forma pequena de bolo inglês, então fiz o outro pão numa forma de bolo redonda de 15cm. Olhem só como ficaram:

Delicioso. Mas, como menino que procura passarinho, só vê passarinho, eu só vejo canela e da próxima vez vou caprichar mais no recheio.

P.S.: Posso afirmar, mais do que nunca, que cozinhar é uma terapia. Eu estava muito, muito triste neste feriado, devido à perda de um tio querido num acidente estúpido. Preparar este pãozinho aliviou meus pensamentos.

Pão de canela (Cinnamon swirl bread)

490g de farinha de trigo
1 pacotinho de fermento biológico seco (10g)
240ml de leite
50g de açúcar
56g de manteiga
1 ovo
1 colher (chá) rasa de sal (não coloquei tudo isso, usei pouco mais de meia colherzinha)

Recheio:
50g de açúcar
1 colher (chá) de canela em pó

Misture metade da farinha de trigo com o fermento na tigela da batedeira.
Em uma panelinha, aqueça o açúcar, o leite, a manteiga, mexendo para derretê-la e sem deixar a misturinha esquentar demais (deve ficar morna). Junte aos ingredientes secos e adicione o ovo. Bata na velocidade baixa por 1 minuto, mude para a velocidade alta e bata por mais 3 minutos.

Adicione aos poucos o restante da farinha e misture com uma colher de pau até obter uma massa macia. Coloque numa superfície levemente enfarinhada e sove até ficar elástica (uns 5 minutos) e faça uma bola. Coloque numa tigela levemente pincelada com óleo ou manteiga e vire a bola uma vez para que a parte de cima fique untada. Cubra com plástico PVC (ou algo assim) e deixe crescer (mais ou menos 1 hora).

Pegue a massa e dê um soco nela (seja gentil - não vale imaginar a cara do chefe nem da ex do namorado nesse momento). Divida em duas partes e deixe descansar mais 10 minutos. Abra cada parte da massa com um rolo e faça um retângulo comprido. Pincele com água. Misture os ingredientes do recheio e polvilhe metade em cada parte de massa. Feche como se fosse um rocambole, começando pelo lado menor - belisque o final da massa para vedar bem e evitar que o recheio vaze.
Coloque em formas untadas, cubra e deixe crescer novamente (35-40 minutos).
Asse em forno pré-aquecido (190ºC) até que dourem (cerca de 30 minutos).

Rend.: 1 filão de 460g e um pão mais redondinho de 470g

quarta-feira, setembro 06, 2006

Muffins de canela

Fiz esses muffins há um tempão, muito antes do blog (quando já existia o projeto de tê-lo, mas eu ainda estava em conflito e não conseguia escolher um nome para "batizá-lo"). Foi a primeira receita de muffin que testei (não ficaram tão altinhos, mas...)

Amo canela e recomendo muito esses muffins. Ficam deliciosos. Usei choc chips (porque ia um amigo do João em casa, cismei que ele ia gostar mais com choc chips), mas quero fazer de novo sem usar nada.

Tenho umas fases em que fico obcecada com certos ingredientes ou tipos de prato. Estou assim com canela. Fiz um pão de canela esta semana... que ficou horrível. Uma pedra de tão duro, um horror (até pensei em guardar alguns para jogar na cabeça da vizinha de cima).
Já peguei outra receita para tentar no feriado. Depois conto direitinho para vocês.

Se quiser ver a receita em inglês, na fonte, clique aqui. Ela usa coalhada, mas eu usei leite semi-desnatado e achei que ficaram ótimos!

Muffins de canela

280g de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
½ colher (chá) de sal
1 colher (chá) de canela em pó
100g de açúcar
110g de açúcar mascavo - eu, até então, não tinha a medida correta e usei 70g
1 ovo grande
3 colheres (sopa) de óleo
1 colher (chá) de baunilha
180ml de leite

Cobertura:
50g de açúcar mascavo
½ colher (chá) de canela em pó

Opcional:
acrescentar 1 xícara (chá) de gotas de chocolate, nozes picadas ou frutas cristalizadas.

Misture a farinha, o fermento, o bicarbonato, o sal e a canela. Reserve.
Numa tigela grande, bata os açúcares e o ovo; junte o óleo e a baunilha. Adicione a esta massa a mistura de farinhas e o leite, alternadamente, sem misturar demais - a massa não pode ficar totalmente lisa, como massa de bolo.
Encha forminhas próprias para muffins até um pouquinho mais do que metade. Coloque-as dentro de forminhas de metal para que não deformem.
Misture o açúcar mascavo e canela restantes, salpique nos muffins e leve para assar em forno médio.

Rendimento: 11 a 12 muffins.

terça-feira, setembro 05, 2006

Frango com bacon (Pancetta chicken)

Para fazer o almoço do último domingo, usei novamente este livrinho - gostei demais dele e o nome faz jus às receitas. Realmente simples. E muitíssimo saborosas.
Tem até uma fotinha da Jill Dupleix no final, cortando umas fatias de melancia - lembrei da Ana!

Quando procuro alguma receita para fazer, busco algo novo, ou algo que leve ingredientes dos quais eu goste. É muito raro eu escolher uma receita por ser rápida. Porque cozinhar é algo que me dá imenso prazer, muito mais que um hobby - então, não tenho pressa de fazer tudo rapidinho e sair da cozinha. Definitivamente, não é esse o objetivo.

Os almoços de domingo em casa costumam sair bem tarde. O João me disse que ele curte bastante o tempo antes do almoço: eu fico preparando tudo, os cheirinhos da comida vão tomando conta da casa, ele fica beliscando alguma coisa enquanto isso (depois de ir ao mercado comigo e comprarmos os ingredientes necessários, é claro). :D

Esse franguinho é pra lá de prático. Posso garantir que até mesmo quem não tem muita intimidade com a cozinha (ou não gosta dela) conseguiria prepará-lo sem muito estresse. Precisa ganhar tempo? Enquanto ele está no forno, você pode regar o jardim, dar banho no nenê...

A Jill diz para servi-lo com milho na manteiga, mas lá em casa optamos por onion rings (refeição calórica é apelido).

Frango com bacon (Pancetta chicken)

4 coxas de frango
8 tiras de bacon - se quiser, use pancetta (clique aqui para saber mais a respeito)
1 colher (sopa) de salsinha picadinha - usei uma colher bem cheia
1 dente de alho grande, amassado e picadinho
1/2 colher (sopa) de raspas de casca de limão siciliano
sal e pimenta a gosto

Misture a salsinha, o sal, a pimenta, o alho e as raspas de limão. Esfregue essa misturinha nas coxas de frango e tente empurrar um pouquinho por dentro da pele, assim o sabor fica mais marcante. Cuidado para não exagerar no sal, porque o bacon já é salgadinho.
Enrole cada coxa com duas tiras de bacon, de forma que uma tira "comece" imediatamente no final da outra (tente não sobrepor) - elas devem ficar assim:

Leve ao forno pré-aquecido (200ºC, mais ou menos) por 45-50 minutos ou até que a carne do frango esteja bem cozidinha por dentro.

Rend.: 4 porções

Salada caprese

Fiz essa saladinha em casa outro dia e adorei. Além de saborosa, ficou super colorida. Até o João, que não gosta de tomates, provou.

Lembrei de um episódio deste seriado (um dos meus preferidos ever) em que o Trey está comendo uma salada e não gosta. Pede para trocar. E a Charlotte sugere a tomato and basil salad. Vem uma salada com rodelas vermelhíssimas de tomate e folhinhas de manjericão por cima. Achei tão simples e ao mesmo tempo tão bonita.

Amo queijo e por isso coloquei uns nozinhos de mozzarella (ou, como está escrito na embalagem, "cerejas de leite" - risos). Eu estava me achando tão original. Até que lendo este post aqui descobri que a salada tem até nome - tks, Fer!!!

Salada caprese

2 tomates firmes, fatiados (usei aquele tomate italiano, bem durinho)
4 nozinhos de mozzarella
folhinhas de manjericão a gosto
azeite de oliva, sal e limão

Arrume os tomates e os queijinhos fatiados (se quiser, deixe-os inteiros) numa travessa. Coloque as folhinhas de manjericão por cima, como desejar.
Tempere a gosto.

Rend.: 1 travessinha de 20x10cm (comi toda a salada sozinha). :S

sexta-feira, setembro 01, 2006

Pimentões recheados

Gosto dos nomes destes legumes tanto em português quando em inglês. "Pimentão" é bacana porque ele parece mesmo uma pimenta gigante. E "bell pepper" também é lindo: o formato é realmente parecido com o de um sino.
Se você quiser saber mais nomes de vegetais em português e inglês, clique aqui. É um link super bacana que a Valentina me enviou. Adorei - e será muito útil, já que quase todos os meus livros de receitas são em inglês.

Eu tinha uma receita de pimentões recheados feita na panela de pressão, mas nunca fiz. É super antiga: peguei no programa da Ofélia há uns 14 anos, mais ou menos. Para quem não conhece, a Ofélia foi uma culinarista famosa aqui do Brasil - se não estou enganada, a pioneira na TV. Eu amava o programa dela! Só que ia ao ar de manhã, justamente no meu horário de escola. Mas meu irmão e o Julio (o filho da mulher do meu pai, que é uma pessoa jóia) me ajudavam muito: eles gravavam o programa e eu assistia quando chegava da aula. Depois, via mais uma vez e transcrevia a receita. A fita já estava indo pro beleléu, de tanto gravar e regravar coisas por cima... Mas era tão bom!

Esses aqui foram feitos no forno, receitinha da Jill Dupleix. Achei bem saborosos; o João adorou.
A foto do livro era tão bonitinha, com um pouquinho de recheio aparecendo, meio que saindo do pimentão, e a tampinha em cima. Os meus não ficaram assim pela seguinte razão: comprar os pimentões revelou-se uma tarefa cheia de "manha" - eles tinham que parar em pé, ou então não serviriam. E os únicos que cumpriram o requisito eram gi-gan-tes. Valeram por uma refeição (calma, calma: fiz 1 para mim e 1 para o marido).

Pimentões recheados

2 pimentões vermelhos
2 pimentões amarelos
500g de carne de porco ou frango moída - usei carne bovina
1 ovo
150g de arroz cozido
4 spring onions, picadinhas/os (não encontrei no dicionário o que é, clique aqui para ver) - usei cebolinha
1 colher (chá) de páprica - não usei
1 colher (sopa) de salsinha picadinha
sal
pimenta do reíno moída na hora - não usei
400g de tomates pelados (em lata), picados
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 colher (chá) de açúcar - não usei

Pré-aqueça o forno a 200ºC.
Corte tampinhas nos pimentões e reserve; tire as sementes deles e qualquer outra película que você julgar estar sobrando.
Em uma tigela, junte a carne moída, o ovo, o arroz, as/os spring onions, metade da páprica, a salsinha, o sal e a pimenta e misture com as mãos. Adicione metade dos tomates e mexa bem.
Recheie os pimentões com a mistura e coloque-os numa assadeira ligeiramente untada com óleo. Pincele um pouco de azeite de oliva nos pimentões (nas cascas). Asse por 1 hora ou até que estejam macios - nos 15 minutos finais, coloque as tampinhas no forno, também pinceladas com azeite.
Junte o restante dos ingredientes, aqueça-os e faça um molho (aqui eu fiz diferente: não consigo conceber a idéia de molho de tomate sem cebola refogadinha).
Para servir, coloque um pimentão inteiro em cada prato, com algumas colheradinhas de molho ao redor e finalize com a tampinha.

Rend.: 4 porções
Related Posts with Thumbnails