quarta-feira, agosto 30, 2006

Estrogonofe de carne

Confesso a vocês que este não vai ser um post muito inspirado. Fiz esta receita (deste livro) domingo, mas não gostei do resultado.
De qualquer forma, achei bacana colocar a experiência aqui. Porque senão vocês vão começar a achar que tudo o que eu faço dá certo e não é assim - não mesmo!!! Vide os meus muffins "genéricos" (meu irmão me disse para usar este termo, já que a palavra "pirata" é muito forte).

Estrogonofe seco é algo que não entendo - a graça da coisa toda está no molho. Mas o João gostou justamente por causa disso - ele não gosta de comidas "molhadas". Pois é, não sei o que se passa na cabeça dele às vezes. :D

Achei as quantidades de ingredientes para o molho insuficientes. Coloquei um pouco mais de extrato de tomate, vinho e creme de leite no fim, para tentar reavivar a receita. Também não sabia que a carne deveria ser envolta em farinha de trigo antes de ser preparada - quando li isso, achei que serviria para "selar" os sucos da carne dentro dela. Dei uma olhadinha em outras receitas na Internet e esse procedimento aparecia em algumas. Ponto a favor: a carne ficou super macia, mesmo não tendo usado filé mignon.

Vou postar a receita como está no livro. Uma coisa de que não gostei: lá diz que, na hora de dourar a carne, se a quantidade não couber na panela, para ir fazendo isso em partes. Tudo bem, só que a primeira leva vai ser "privilegiada" com as cebolas e o sabor delas na manteiga. As outras, não. Como fiz uma quantidade menor, uma etapa apenas foi suficiente.

Acho que depois dos meus comentários nada amigáveis, ninguém vai querer fazer a receita. :S
Aproveito para pedir que se alguém tiver uma receita bacana de estrogonofe (ou estraga-bofe, como diz uma pessoa querida) me mande, por favor.

Estrogonofe de carne

560g de carne em tiras ou pedacinhos (usei coxão-mole)
35g de farinha de trigo temperada (usei tempero em pó pronto)
57g de manteiga
1 cebola pequena picadinha
300g de cogumelos fatiados (usei champignons)
1 colher (sopa) de extrato de tomate
60ml de vinho tinto seco
300ml de creme de leite fresco (eu não tinha em casa, então usei o de caixinha com um pinguinho de água porque estava super grosso)

Coloque a farinha num saquinho plástico, junte as tiras de carne e cachoalhe até cobrir todos os pedacinhos.
Derreta duas colheres (sopa) da manteiga numa frigideira grande, em fogo médio, e refogue a cebola por 2 minutos. Junte a carne e doure; retire da panela e mantenha aquecida. Coloque o restante da manteiga na frigideira, adicione os cogumelos e mexa até ficarem macios e levemente dourados (como usei cogumelos em conserva, macios eles já estavam). Junte o extrato de tomate e o vinho, mexa sem parar por 2 minutos ou até o molho reduzir. Junte a carne, o creme de leite (aqui inverti a ordem porque achei que funcionaria melhor na hora de misturar), abaixe um pouquinho o fogo e deixe por mais um minuto, ou até o molho engrossar.

Rend.: 4 porções

terça-feira, agosto 29, 2006

Pão de mel

Esse pão de mel é receita de um curso que fiz no final do ano passado. O nome da professora é Anka Popovic.

Faço de vez em quando e meu marido leva para o trabalho e vende. Os colegas dele gostam bastante. Da última vez, um rapaz comprou 10 de uma vez só. Adorei. :D

Quando iniciei este blog, algumas pessoas comentaram: "mas você vai dividir as receitas dos produtos que vende?". Claro, por que não?? Aprendi muito com a Internet e comecei a minha "carreira" de boleira pesquisando no Orkut. Lá, muitas outras pessoas, que também comercializam seus doces, dividiam suas receitas, dicas, truques. Se foi tão bom para mim, porque vou cortar a corrente? Conhecimento tem que ser espalhado por aí, pra brotar em todos os lugares.

Os pães de mel da foto são feitos em forminhas próprias (6,5cm de diâmetro) e recheados com doce de leite. Depois disso, eu os banho no chocolate - uso chocolate hidrogenado ao leite (só da Nestlé, porque é mais fluido e facilita o trabalho - além da qualidade, é claro) misturado a chocolate nobre meio amargo. Desta forma, não preciso fazer a temperagem do chocolate e ainda obtenho um pão de mel menos doce, menos enjoativo. Essa dica maravilhosa quem me deu foi a Ana Maria - ela sabe tudo de pão de mel!

Os que fiz para o aniversário da Jéssica (viu, Clarice) não tenho foto pra postar. Mas usei esta mesma receita, assei em forminhas de papel para mini muffins e cobri só o topo deles com chocolate. Depois, na hora do parabéns, joguei pó dourado comestível por cima, pra fazer graça. Com a luz colorida que minha irmã tinha pedido pra colocar na festa, o dourado ficou furta-cor. :D

Você também pode assar a massa como um bolo, numa forma grande, cobrir com chocolate e cortar os pedaços.

Pão de mel

4 ovos inteiros (se forem muito grandalhões, use só 3)
220g de açúcar
150ml de óleo
150ml de água
150ml de mel ou glucose de milho - a última, mais econômica $$
360g de farinha de trigo
50g de chocolate em pó
1 colher (chá) de canela em pó
¼ colher (chá) de noz moscada
¼ colher (chá) de gengibre em pó
¼ colher (sopa) de bicarbonato
½ colher (sopa) de fermento em pó
1 pitada de sal
aprox. 800g. de chocolate para banhar - eu uso a proporção 40% de chocolate nobre e 60% de hidrogenado

Misture os ingredientes secos peneirados e reserve. Dilua o mel com a água e o óleo.
Bata os ovos com o açúcar até dobrar de tamanho. Vá juntando à mistura os ingredientes secos intercalando com os líquidos e bata em velocidade alta. Leve para assar em forminhas ou uma forma grande, untadas e enfarinhadas.
Asse por cerca de 35 minutos em forno a 200°. Para saber se estão assados, espete com um palitinho - se sair seco, pode retirar do forno.
Desenforme ainda morninhos, para que soltem melhor das forminhas.

Rend: cerca de 30 pães de mel grandes

Muffins de mexerica (a.k.a. propaganda enganosa)

Desde que vi esta receita, fiquei doida para fazer algo com mexerica. Amo o sabor da fruta, o aroma, a cor. Tudo. Se alguém estiver comendo mexerica num outro quarteirão dá pra saber. :D
Este livro havia chegado e eu não tinha nem aberto ainda. Olha que agonia. Não tinha dado tempo, mesmo. Estou com um milhão de livros pra ler, no meio de outro (uma leitura deliciosa, difícil de largar), e ainda chegam os cookbooks pelo correio... É uma tortura imensa.

A primeira receita do livro era de muffins de laranja. Em um segundo imaginei a receita sendo feita com mexerica. E foi isso que fiz.

Procurei o suco concentrado (tipo Maguary) no mercado, mas não achei: só tinha de goiaba, laranja, maracujá, caju. Então comprei as mexericas e fiz o suco em casa. Ficou grosso, porque não tirei todo o bagaço. Estava saboroso, um cor de laranja forte.

Fiz os muffins e esperei ansiosa pelo resultado. Ficaram com uma cor bonita e com o topo um pouquinho mais alto do que os que fiz antes. Acho que estou pegando o jeito com muffins. :D
Além disso, comprei umas forminhas de silicone lindas, coloridas, super práticas. Não é necessário untá-las nem polvilhar farinha. E na hora de tirar os muffins, foi facílimo: só de pegar nas forminhas, eles já "saltavam" para fora. Adorei.

Só que, ao morder, que decepção... Eles estava deliciosos, fofinhos, com uma textura ótima!! Mas... e o gosto da mexerica?? Não passou nem perto!! :(

Vou postar a receita aqui como está no livro, com laranja. Porque é assim que vou fazê-los da próxima vez.

Quem tiver o livro vai perceber que fiz uma confusão na hora de pegar as medidas de farinha. Porque usei as medidas americanas, mas na farinha não, considerei uma xícara como 120g. Como deu certo e os muffins ficaram super leves, deixei assim mesmo.

Muffins de laranja

90g de manteiga derretida, fria
200g de farinha de trigo com fermento
50g de açúcar
22g de amêndoas moídas
90ml de suco de laranja feito na hora
90ml de leite integral - usei semidesnatado
1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de fermento em pó (aqui achei que a Nigella estivesse doida. Não estava, não.)
raspas de casca de laranja
1 ovo

Pré-aqueça o forno a 205ºC.
Coloque a farinha, o açúcar, as amêndoas, o bicarbonato, o fermento e as raspas de laranja numa tigela. Numa jarrinha à parte, misture o suco, o leite, o ovo e a manteiga. Faça um buraco nos ingredientes secos e despeje nele os líquidos. Mexa rapidamente com um garfo. A massa não deve ficar lisa. Não se preocupe com os grumos.
Coloque em forminhas próprias para muffins (você pode usar de papel, se quiser) e leve ao forno por 20 minutos, ou até que dourem.

Rend.: 12 muffins (obtive 11 gordinhos e 1 mais magrinho)

segunda-feira, agosto 28, 2006

Salada de rúcula, pêra e parmesão


Adoro salada. Gosto de quase todos os vegetais, sério mesmo. De alguns, não gosto tanto. Não vejo graça em alface, por exemplo. Coisa mais sem gosto. Adoro as folhas com sabor mais forte, como agrião e rúcula.

Vi uma receita quase igual a essa no Modern Classics 1. Parecia uma salada de um restaurante onde almocei algumas vezes.

Gosto muito de frutas nas saladas - algo que comecei a apreciar faz pouco tempo (tenho mudado, aos poucos, meus conceitos de boa comida. Não sei se é porque estou mais velha, whatever).

No livro, entretanto, o queijo usado é o gorgonzola - confesso que acho um pouco forte. Xeretando num outro livro do qual gosto muito, vi uma salada igual, só que com lascas de parmesão no lugar do gorgonzola. Para mim, uma troca perfeita.
Usei um parmesão mais macio, não o reggiano. Às vezes, é ruim morar fora de São Paulo - não encontramos tudo o que queremos. Mesmo assim, ficou gostoso. Acho até que combinou bem com o crocante das pêras.

Não há um contraste muito interessante de cores (já que a pêra e o queijo são da mesma cor), mas os sabores ficam excelentes juntos.

Não estou colocando as mesmas quantidades do livro porque acho que cada um deve "exagerar" mais no ingrediente que preferir (eu exagerei nas pêras).
A receita original traz azeite de oliva e vinagre balsâmico como os ingredientes para o molho, mas eu não tinha esse vinagre em casa - optei por azeite e limão, com um pouquinho de sal. Use o que mais lhe agradar.

Salada de rúcula, pêra e parmesão

1 maço de rúcula
1 pêra firme
queijo parmesão a gosto

Coloque as folhas de rúcula numa travessa (eu comprei uma rúcula compridona, por isso rasguei as folhas uma vez com as mãos). Fatie as pêras e coloque na tigela. Corte o parmesão em lascas e acrescente à salada. Tempere com o azeite, sal e limão (ou vinagre balsâmico, se preferir). Misture e sirva.

Rend.: 2 porções (ou mais, se o apetite de vocês não for exagerado como o meu).

Brownies de doce de leite

English version

Dulce de leche brownies

Outra receitinha que usei no aniversário da Jéssica. Peguei daqui.

Foi um pouco corrido fazer os doces do aniversário dela (além do bolo), porque seria na praia e a viagem me roubaria preciosas horas. Então, pensei em fazer algo diferente dos docinhos tradicionais e que também fosse prático para mim. Consegui isso com os brownies, porque enquanto eles assavam fui adiantando mil outras coisas. E depois, um pouco antes do parabéns, cortei e coloquei nas forminhas. Rapidíssimo.

A textura é deliciosa. Bem macios, molhadinhos. E o doce de leite aparecendo por onde menos se espera é uma delícia de surpresa.
Optei por algumas diferenças na receita, porque o meu "público alvo" era um bando de adolescentes... Mas deixo-a completa aí para vocês escolherem as opções que desejarem.

Dobrei a receita (para usar uma forma grande) e os cortei pequeninos por serem para a festinha, mas você pode fazê-los maiores, servi-los morninhos, com sorvete, hummm...

Brownies de doce de leite

115g de manteiga em pedacinhos - eu usei sem sal, mas ele diz que tanto faz
170g de chocolate amargo ou meio-amargo, picado bem fininho - usei meio-amargo
25g de cacau em pó - usei chocolate em pó
3 ovos grandes
200g de açúcar
1 colher (chá) de extrato de baunilha - usei essência
140g de farinha de trigo
100g de nozes ou pecãs, levemente tostadas e picadas (opcional) - não usei
250g de doce de leite

Pré-aqueça o forno a 175ºC.

Forre uma forma quadrada de 20cm com papel alumínio, de forma que fiquem partes de papel para fora da forma, formando "alças". Se você não tiver uma folha grande papel alumínio (eu tenho, sou o exagero em forma de gente), coloque duas folhas cruzadas. Unte o papel com manteiga ou spray culinário. Eu comecei a untar e o papel dançava cada vez que eu passava o pincel. Daí pincelei um pouco de manteiga entre ele e a forma, grudando-o bem.

Derreta a manteiga numa panela média. Junte o chocolate e mexa sem parar, em fogo bem baixinho, até derreter. Retire do fogo e misture o cacau em pó (a mistura vai parecer sedosa). Junte os ovos, um por vez, o açúcar, a baunilha e a farinha. Se for usar, adicione as nozes.
Coloque metade da mistura na forma; vá pingando colheradas de doce de leite (use 1/3 da quantidade) por cima e dê uma misturada leve com um garfo ou faca, sem mexer demais. Coloque o restante da massa de brownie por cima, pingue o restante de doce de leite e proceda da mesma forma - eu fiz de outro jeito: coloquei toda a massa e pinguei o doce de leite por cima e fiz os "rabiscos" com o garfo. Achei que fazer do modo como a receita indica ficaria muito raso e difícil de espalhar o doce de leite.

Asse por 35 a 45 minutos - os brownies estarão prontos quando o centro estiver levemente firme. Retire do forno, deixe esfriar completamente.

Na hora de cortar, se você quiser, pode levantar os brownies da assadeira (usando as "alças" de papel alumínio) e colocar numa pia ou bancada. Fica mais fácil e não vai arranhar a sua forma.

Rend.: 12 unidades

sábado, agosto 26, 2006

Bicho-de-pé

Minhas queridas leitoras do blog, voltei!!
As férias foram maravilhosas, pena que já estejam acabando... :(
Tenho algumas coisas novas para postar.

Dia 17 de agosto foi aniversário da minha irmãzinha caçula, a Jéssica. Todos os anos eu faço o bolo e os docinhos dos aniversários da família, mas os dela são especiais. Ela é o xodó da casa.
A festinha foi no sábado, dia 19. Fiz um bolo de chocolate, recheado com brigadeiro e coberto com pasta americana. Modelei uma menininha e uma cachorrinha e coloquei em cima do bolo - a Jéssica e a Pi.
Olhem as fotos dele aí:



Para os docinhos, o tradicional brigadeiro e também bicho-de-pé. Além deles, minibrownies de doce de leite e mini pães de mel.

As meninas gostaram mais do bicho-de-pé do que do brigadeiro; eu também gosto mais dele, porque o azedinho da gelatina de morango corta um pouco o doce do leite condensado, mas as crianças o preferirem ao tradicionalíssimo brigadeiro foi uma surpresa para mim. Uma amiguinha da Jéssica falou para uma outra que o brownie "era o mais maravilhoso". Eu vi e achei graça.

Hoje vou postar a receita do bicho-de-pé. Não sei porque um docinho tão gostoso tem um nome tão feio... :P

Ele é simples de ser feito - é como fazer brigadeiro, não tem mistério. Também é super gostoso de comer com colher, naqueles dias em que precisamos de um docinho pra alegrar nossas vidas...

Bicho-de-pé


1 lata de leite condensado (eu uso o Moça porque os outros não têm a mesma consistência e fica mais difícil e demorado dar o ponto nos docinhos)

1/2 caixinha de gelatina sabor morango

1 colher (sopa) de manteiga ou margarina sem sal

Misture bem os ingredientes e leve ao fogo baixo, mexendo sempre. Continue mexendo até a mistura se desgrudar do fundo da panela.

Despeje num prato untado com margarina ou manteiga e deixe esfriar completamente.

Faça bolinhas e passe no açúcar refinado.

Rend.: aprox. 40 docinhos

quinta-feira, agosto 17, 2006

Biscoitinhos de amêndoas (Greek almond cookies)

Como vou ficar quase uma semana sem aparecer por aqui (estarei de férias), resolvi postar logo duas receitas de uma vez.

Queria presentear uma pessoa bacana e pensei em fazer umas trufas. Mas não sabia se ela gostava de chocolate ou não - sei há algumas pessoas (loucas) no mundo que não gostam de chocolate. :D

Daí resolvi que faria cookies. Só que não podiam ser de chocolate. De canela e gengibre nem todo mundo gosta. Baunilha achei simplezinho demais. Coco também achei meio obscuro. Que dúvida!
Resolvi optar por algo que acho mais clássico: amêndoas.

Elas aparecem em uma grande parte de receitas doces que tenho. Não só as amêndoas - a farinha de amêndoas (que lá fora é chamada de almond meal) também é um ingrediente super corriqueiro. Aparece em biscoitinhos, bolos, massas de tortas. Já fiz bolo com farinha de amêndoas e o resultado é um bolo bem úmido, com uma textura maravilhosa e um sabor idem.

A receita destes cookies saiu deste livro aqui.
Gostei do formato de meia lua deste biscoitinho e achei que seriam fáceis de serem modelados. E foram mesmo: a massa tem uma consistência bárbara, não gruda nas mãos.

Tostei as amêndoas e passei rapidamente pelo processador, pulsando algumas vezes - assim obtive pedaços pequenos, mas sem chegar à consistência de farinha.
Não tirei as cascas delas, pois queria o efeito "pintadinho" nos cookies. Mas, se você preferir tirar, dê uma olhada no blog da Karen - ela ensina a fazer isso de uma maneira fácil e rápida.

Biscoitinhos de amêndoas (Greek almond cookies)

250g de manteiga sem sal amolecida
95g de açúcar de confeiteiro
1 colher (chá) de essência de baunilha
305g de farinha de trigo
100g de amêndoas, tostadas e picadas
açúcar de confeiteiro para servir

Bata a manteiga, o açúcar e a baunilha até obter um creme claro e leve. Junte a farinha e as amêndoas e misture até formar uma massa uniforme - fiz isso na batedeira, mesmo, usando uma velocidade mais baixa para não voar a farinha. Depois aumentei e a bola de massa se formou. Leve à geladeira por 10 minutos, ou até que a massa fique mais firme.
Pegue porções da massa - cerca de 1 colher (sopa) cheia - e modele os biscoitinhos. Coloque-os em formas forradas com papel manteiga (não é necessário untar).
Leve ao forno pré-aquecido (180ºC) por 25 minutos, ou até que dourem levemente. Deixe esfriar e polvilhe com açúcar de confeiteiro antes de servir.

Rend.: 47 biscoitinhos de 15g cada.

Pão de cenoura

Ando numa fase de pães (acho que vocês devem ter percebido).

Quando era adolescente, tinha um pouco de preguiça de usar fermento biológico. Demorava muito pra chegar ao resultado da receita. Acabava fazendo mais bolos.

Tempos depois, quando ainda era solteira, fui perdendo a preguiça e muitas vezes fiz esfiha em casa. Era uma missão hercúlea, porque à medida que eu ia tirando as formas do forno, meu irmão ia comendo todas as esfihas. Não estou exagerando, não. Todas, mesmo. E a minha irmã caçula ia no embalo dele. Ao final do trabalho, era olhar pro lado e encontrar 4, 5 esfihas sobrando.

Esta semana fui ao mercado e, em casa, enquanto guardava alguns alimentos na geladeira, notei que ainda tinha 1 quadradrinho de fermento fresco. E que ele iria vencer naquele dia. Como não gosto de jogar nada fora, comecei a pensar em alguma receita para poder usá-lo. É claro que a idéia de ter um pão fresquinho para o café da manhã no outro dia também me incentivou.

Procurei pela farinha de trigo no armário e, ao pegar o pacote, li o nome da receita que estava impressa nele: "pão de cenoura". Na hora imaginei um pão cor de laranja saindo do forno. Já havia testado uma receita de pão de cenoura uma vez, mas não gostei do resultado. Resolvi tentar novamente.

A massa é super molinha, usei só um pouquinho a mais de farinha de trigo do que a receita pede inicialmente - as cenouras que usei eram bem suculentas.
Assim que termina de amassar, você já modela os pães e aí, sim, deixa a massa crescer.
Depois de uns 40 minutos, a minha massa não tinha crescido quase nada. Como já eram mais de 10 horas da noite, pré-aqueci o forno e assei o pão assim mesmo.
Ele dobrou de volume enquanto assava.

O resultado foi um pão bem úmido, da cor que eu imaginava que seria. Não tão macio quanto o pão de mandioquinha, mas também gostoso. Quentinho, com manteiga, ficou delicioso. Além disso, é mais uma forma de consumir vegetais, o que acho sempre válido.
Se você gosta de pães mais secos, talvez não vá gostar deste.

Fiz metade da receita, mas vou postá-la inteira aqui:

Pão de cenoura

15g de fermento biológico
60g de açúcar
500g de cenouras cozidas
40g de manteiga ou margarina
3 colheres (sopa) de óleo
1 pitada generosa de sal
3 ovos
480g de farinha de trigo

Amasse o fermento com o açúcar até obter uma pastinha. Reserve.
Bata no liquidificador a cenoura, a manteiga, os ovos, o óleo e o sal. Despeje na tigela com o fermento e misture.
Vá juntando a farinha aos poucos e mexendo para formar uma massa uniforme. Acrescente mais farinha, se necessário (cuidado para não exagerar. O seu pão pode ficar duro).
Coloque a massa numa superfície polvilhada com farinha e sove. Modele os pães como desejar e coloque numa forma untada.
Cubra com um paninho de prato e deixe crescer até dobrar de volume.
Leve para assar em forno pré-aquecido (180ºC), por cerca de 30 minutos, ou até que doure.

Rend.: com meia receita, obtive um filão de 600g.

segunda-feira, agosto 14, 2006

Cinnamon rolls


Semana passada estava com uma vontade louca de fazer um bolo. Porém, não conseguia escolher o sabor. Às vezes, sou muito indecisa.
Peguei umas receitas lindas da Valentina, estava de olho num bolo de iogurte que ela fez. Só que ao chegar em casa vi que não tinha fermento em pó suficiente. Que desespero, ai, ai. Imagina, uma boleira sem fermento em casa. Shame, shame, shame.

Lembrei que tinha fermento seco para pães e fui procurar uma receita para poder usá-lo. Depois de revirar uma pilha de papéis, encontrei a receita de Cinnamon Rolls da Akemi. Fui correndo pra cozinha.

Ela avisara que a massa era um pouco grudenta. Mas eu comecei a ficar (levemente) preocupada quando a massa grudou todinha no granito. Eu sovava, sovava, e a danada grudava nas minhas mãos. E na espátula. :(
Akemi, querida, não fique brava, mas até considerei a possibilidade de jogar tudo fora. Achei que eu tivesse feito algo errado no processo. Estava cismada com as medidas em gramas dos ingredientes líquidos.
Além disso, Law & Order SVU já ia começar e eu ainda estava lutando com a massa. Precisava correr.

Depois de sovar bastante ela começou a se desgrudar das minhas maos e, depois, da pia. Ufa, que alívio.
Foi a primeira vez que usei fermento seco para pães e confesso: não colocava muita fé no produto. Depois de 1 hora, fui olhar a massa e notei que havia crescido bem.
Mas a minha grande surpresa foi na segunda vez em que deixei a massa para crescer: por causa do jeito que enrolei a massa, obtive rolls meio magrinhos, pobrinhos mesmo. Só que eles cresceram tanto que ficaram juntinhos dentro da forma.
Queimei a língua. O tal fermento funciona muito bem.

Não tinha cream cheese em casa, então deixei meus rolinhos sem cobertura. Mas recomendo fazer - cliquem aqui e vejam como ficaram lindos os rolls da Akemi. Iguaizinhos aos que compramos nos shoppings.

Vou postar a receita já dobrada, que rendeu a forma retangular cheia.

Cinnamon rolls

Massa:
400g de farinha de trigo
32g de açúcar
6g de sal
60g de margarina
180g de leite
64g de ovo
8g de fermento seco para pão
40g de água morna

Recheio:
50g de açúcar mascavo
8g de canela em pó
uma pitada generosa de noz moscada
margarina amolecida para espalhar na massa - cerca de 2 colheres (sopa)

Cobertura:
70g de margarina
30g de cream cheese
40g de açúcar
algumas gotas de essência de baunilha

Coloque numa tigela a farinha, o açúcar, o sal, a margarina e o ovo batido com o leite. Dissolva o fermento na água morna e coloque na tigela também. Misture com colher de pau até absorver toda a farinha. Jogue a massa numa superfície e vá sovando e batendo a massa na mesa até ficar uma massa lisa e homogênea.

No começo não estranhe se ficar tudo grudado na mesa e nas mãos. Não coloque mais farinha do que o pedido. Conforme vai sovando, a água vai se evaporando e a massa começa a desgrudar das mãos.Faça uma bola com a massa e feche bem as pontas formando um umbiguinho. Coloque a massa com o umbigo para baixo na tigela novamente. Cubra com filme plástico e deixe crescer em lugar abafado por cerca de uma hora ou até que dobre de volume.Depois disso, coloque a massa numa superfície enfarinhada e amasse gentilmente formando uma tira comprida. Use o rolo de massa para esticar até o tamanho de 9x40cm (aqui, você vai obter uma massa maior, por causa das quantidades que postei). Espalhe margarina amolecida na superfície da massa, deixando 5cm sem untar no final da massa. Misture o açúcar, a canela e a noz moscada e polvilhe em cima da margarina.

Enrole a massa gentilmente, sem puxar ou forçar. No final, aperte-a. Vai parecer um rocambole. Fatie a massa, formando os rolls. A cada fatia que eu cortava, escolhia o lado que ficava mais fechadinho e terminava de fechar com as pontas dos dedos - essa parte era colocada para baixo, em contato com a forma. Use uma forma untada.
Cubra com filme plástico e deixe crescer novamente. Essa segunda "crescida" da massa demorou uns 25 minutos.
Pincele com ovo (eu optei por não fazer isso) e leve para assar em forno pré-aquecido a 180ºC por 20 minutos ou até que doure.

Misture bem os ingredientes da cobertura e espalhe nos rolinhos ainda quentes.

quinta-feira, agosto 10, 2006

Filé com cogumelos

Domingo é um dia em que gosto de caprichar mais no almoço e fazer alguma comidinha diferente. Durante a semana é tudo tão corrido e na maioria das vezes faço o jantar em 30 minutos, uma coisa mais básica, mesmo.
O problema é que temos uma espécie de impasse em casa. Eu não gosto de carne vermelha, meu marido não é muito chegado a frango e peixe. Então, de vez em quando, um ou o outro cede um pouquinho e vou variando o cardápio e os tipos de carne.

Domingo passado fiz este filé com cogumelos. Tenho que ser sincera com vocês e dedurar o João: ele não comeu o molho. Só a carne e o brócolis. Eu provei tudo, mas confesso que não consegui gostar. Tento comer, tento gostar, mas não dá, é mais forte do que eu (clichês novelísticos à parte).
Ele adorou e repetiu. Eu preferi ficar com o arroz, brócolis e puxei os cogumelos pro meu prato.

Usei filé mignon, porque sou extremamente ignorante em se tratando de cortes de carne. Escolhi algo que com certeza ficaria macio. Pedi que o açougueiro fizesse medalhões, mais ou menos altos. Você pode optar por outra carne, se quiser.

Cozinhei as arvorezinhas de brócolis no vapor. Gosto porque ficam super verdinhas. Para variar, você pode aquecer uma panela com um pouco de azeite, dourar fatias bem finas de alho (cuidado para não dourar demais, senão elas ficam amargas) e passar rapidamente o brócolis (cozido, mas firminho). Fica ótimo também.

Fiz algumas alterações nos ingredientes, acabei descaracterizando um pouco a receita... Vou postá-la completa para vocês verem. Minhas mudanças estarão entre parênteses.
A receitinha saiu deste livro - é o segundo que compro da mesma coleção (o primeiro foi este aqui). Fotos em todas as receitas, todas mesmo. Deixa qualquer um com água na boca.

Ah, a pimentinha no prato foi idéia do João. Ele a colheu da nossa mini horta, olha que luxo. :D

Filé com cogumelos

4 xícaras de buquês de brócolis
225g de de vagem (não usei)
1 colher (sopa) de óleo vegetal
60g de manteiga
4 filés, com cerca de 2,5cm de espessura
3 dentes de alho, bem picadinhos
3 xícaras de cogumelos variados (usei só champignon)
2 colheres (sopa) de tomilho fresco picado (usei cebolinha)
120ml de xerez seco (usei vinho branco seco)

Tempere os filés com um pouquinho de sal (e pimenta, se gostar). Reserve.
Cozinhe o brócolis e a vagem em água fervente, por 3 a 4 minutos, até que estejam cozidos mas ainda crocantes.
Derreta 1 colher (sopa) da manteiga, junte o óleo e frite os filés, deixando-os de acordo com o seu gosto (mal-passados ou mais ao ponto). Coloque numa travessa e cubra com papel alumínio.
Na mesma panela, em fogo médio, adicione mais 1 colher de manteiga e refogue o alho e os cogumelos. Tempere a gosto. Cozinhe até os cogumelos ficarem macios. Adicione o tomilho e retire da panela.
Despeje o vinho na panela, algum suco que a carne reservada tenha soltado e mexa até "limpar" o fundo da panela. Deixe ferver, abaixe o fogo e deixe reduzir para 1/3 xícara, mais ou menos. O livro diz que o líquido fica um pouquinho mais espesso, mas não foi bem assim que aconteceu. O fundo da minha panela não tinha muitos resíduos da carne, acho que foi por isso que o molho ficou mais ralinho. Mesmo assim, ficou saboroso.
Junte o restante da manteiga, aos poucos - o molho ficará mais brilhante.
Para servir: coloque os filés nos pratos, cubra com os cogumelos e regue com o molho. Sirva com o brócolis e a vagem.

Rend.: 4 porções

terça-feira, agosto 08, 2006

Pão de mandioquinha

Tenho uma prima de segundo grau (prima do meu pai) que adoro. O nome dela é Soraia.
Passei vários finais de semana na casa dela na infância e adolescência, era sempre muito gostoso.
A mãe dela, minha tia Angélica, cozinha maravilhosamente bem. Foi com ela que aprendi a fazer meu primeiro bolo, pão-de-ló de fubá.

Minha prima tem três filhos (na época, ela só tinha dois) e costumava tratá-los com homeopatia. E uma vez fui com ela a uma farmácia de manipulação enorme - se não me falha a memória, era em Moema.
A farmácia era bem diferenciada: além dos remedinhos e cremes manipulados, havia também alimentos naturais e brinquedos educativos feitos em madeira (entre eles, uma casa de bonecas gigante pela qual eu tinha um enorme fascínio). Lá, minha prima comprou, algumas vezes, um pão de mandioquinha divino. Tinha o formato de pão de forma, aliás, vinha fatiado e embalado como tal, mas era incrivelmente macio e fofinho, amarelinho, delicioso. Impossível resistir. Se estivesse quentinho e com um pouquinho de manteiga espalhada por cima, então, era se segurar para não devorar tudo em questão de segundos.

Hoje é aniversário da Talita, uma das filhas da Sô, e ontem me lembrei destes momentos. Procurei na Internet uma receita, queria muito tentar reproduzir o saboroso pãozinho. Encontrei aqui.

Voltei no tempo saboreando este pão... :D
Fiz meia receita e gostei do rendimento. Obtive um filão de 560g e mais 4 pãezinhos redondos de 120g cada um.
A massa é boa para trabalhar, não fica grudenta. E também não me preocupei com o "ponto" do pão: a quantidade dada de farinha foi perfeita.
Depois do tempo de crescimento, achei que a massa não tinha crescido tanto quanto eu desejava. Mas quando coloquei os pãezinhos pra assar, eles aumentaram bastante de tamanho.
Não pincelei a massa com gema (esqueci, mesmo), mas achei que o pão ficou com uma cor dourada bonita, você decide se pincela ou não.

Tali, princesinha, se você estiver lendo, feliz aniversário e um beijo enorme, te adoro!

Pão de mandioquinha

90g de açúcar
200ml de óleo
50g de fermento biológico
4 ovos
500g de mandioquinha
1kg de farinha de trigo
sal - acho que 1/2 colher (chá) é suficiente
gema para pincelar

Cozinhe a mandioquinha, escoe, amasse e deixe esfriar. As minhas ficaram bastante tempo na pressão, quando as escorri já viraram um purê. Bem prático.
Bata no liqüidificador o açúcar, o óleo, o fermento e o ovos. Peneire a farinha numa tigela, faça uma cova no centro e despeje a mistura do liqüidificador e o purê de mandioquinha. Acrescente o sal e misture até a massa se desprender das mãos. Modele os pães da forma como desejar, coloque-os em uma forma untada e enfarinhada e deixe-os crescer por 45 minutos.
Leve ao forno pré-aquecido e asse a 180ºC até que dourem. Os meus demoraram uns 30 minutos para assar.

Rend.: um filão de 560g + 4 pãezinhos redondos de 120g cada um.

segunda-feira, agosto 07, 2006

Scones com gotas de chocolate

Não sei se é porque me formei tradutora, mas adoro procurar palavras no dicionário.
O problema é que sempre demoro muito porque, enquanto procuro determinada palavra, vou encontrando outras interessantes pelo caminho e não me contenho: leio todas.
Sabia que scones eram um tipo de pãozinho originário da Escócia. Mas achei melhor dar uma olhadinha no Oxford antes de postar. Lá dizia que eram pãezinhos achatados e macios, feitos de farinha de trigo e cevada, assados rapidamente. Até aí, nada muito extravagante.
O que me chamou a atenção foi o verbete anterior, "Scone" - assim mesmo, com letra maiúscula.
Scone era uma aldeia de Tayside, antiga capital da Escócia. E nesta vila havia uma pedra sobre a qual os reis escoceses eram coroados.
A pedra hoje está sob o trono da Abadia de Westminster, onde são coroados os monarcas ingleses.Achei muito interessante a história.
Imagine, uma pedra ser um símbolo tão especial, local de algo tão importante. Excalibur me veio à mente.

Acabei me lembrando de umas aulas deliciosas que tive na faculdade, com o Leandro Karnal.
Ele foi nosso professor de Cultura e Civilização Inglesas (no terceiro ano) e Cult. e Civ. Norte-Americanas (no quarto). Ele era hilário. O modo de falar de história nos fazia rir muito e memorizar um mundo de informação. Seus comentários nas provas e trabalhos eram, por vezes, um tanto ácidos.
Uma vez, uma colega respondeu uma questão em poucas linhas. Ele escreveu: "hum... que pobrinho..."

Ainda me recordo de muita coisa que aprendi nas aulas - que eram muito bacanas, apesar de ele arrancar nossas peles nas provas.
Infelizmente, esqueci bastante coisa também. Sabia de cor todas as dinastias, quem matou quem para subir ao trono, etc.
Para quem quiser conhecer o método único do Leandro, ele dá aulas na Casa do Saber, em São Paulo. Os cursos são meio caros, mas para quem gosta de História são um prato cheio (desculpem, mas não resisti ao trocadilho). :)

Os meus scones têm gotinhas de chocolate e a receita foi tirada daqui. Gostei da textura, bem macia.
Usei metade das gotas que a receita pede e achei mais do que suficiente. Vai depender do quão chocólatra você é.
Mesmo no dia seguinte ainda estavam gostosos (aquecidos no microondas).
Não coloquei a cobertura de açúcar e canela, para não ficar muito doce. Mas posto aqui para quem quiser provar.

Scones com gotas de chocolate

280g de farinha de trigo
50g de açúcar
1 1/4 colher (chá) de fermento em pó
1/4 colher (chá) de bicarbonato
1/4 colher (chá) de sal
115g de manteiga gelada e em cubinhos
90g de gotas de chocolate
1 colher (chá) de essência de baunilha
160ml de coalhada

Para pincelar os scones:
1 ovo (meio seria suficiente, mas...)
1 colher (sopa) de leite

Cobertura de canela:
50g de açúcar
1 colher (chá) de canela em pó

Pré-aqueça o forno a 200ºC. Forre uma assadeira com papel manteiga.
Numa tigela, misture a farinha, o açúcar, o fermento, o bicarbonato e o sal. Junte a manteiga e vá misturando com as pontas dos dedos, até tudo ficar com uma consistência de farelo grosso. Adicione as gotas de chocolate.
Misture bem a coalhada com a baunilha e despeje nos ingredientes secos. Misture até obter uma massa (não mexa demais).
Transfira-a para uma superfície enfarinhada e amasse 3 ou 4 vezes com as mãos. Todos os farelinhos que estavam na tigela vão grudar na massa e você vai ter uma bola.Modele-a em formato de disco, como uma pizza. O meu disco de massa tinha aprox. 20cm de diâmetro de uns 3,5cm de espessura.
Corte triângulos (como a foto abaixo), coloque-os na forma preparada e pincele com o ovo misturado ao leite.


Se você optar por usar a cobertura de canela, este é o momento. Misture a canela e o açúcar e salpique sobre os scones logo depois de pincelá-los com o ovo.
Leve ao forno por 20 minutos, aproximadamente, ou até que estejam dourados.

Rend.: 8 scones

sexta-feira, agosto 04, 2006

Almôndegas à minha moda

Evito ao máximo fazer frituras em casa. Porque o cheiro e a fumaça tomam conta do apartamento inteiro, é um horror. Não há Liza que resolva.
Como agora também estou evitando comer coisas muito calóricas (não é sempre que consigo, a carne é fraca...), o forno se torna um ótimo aliado.
Em vez de fritar, opto por assar. Sempre que possível, faço a troca.

A receita que usei como base dizia para cozinhar as almôndegas no vapor. Por mais que eu esteja interessada em comidinhas light, carne moída no vapor é um pouco demais. :P
Vamos ser honestos: esse negócio de contar calorias é uma chatice. Não é à toa que as pessoas começam as dietas na segunda e na quarta já desistiram.
E, para piorar, entro aqui e aqui e fico babando nos doces das meninas... hum...
Cuidado ao entrar, porque elas são sádicas mesmo - a cada dia postam uma receita mais deliciosa do que a outra. Aviso que são altamente viciadoras ("viciantes" o Houaiss não permite).

Enfim... Vamos às almôndegas.
Formei bolinhas grandes com a massa, coloquei um pedacinho de bacon no meio, como recheio (a pedido do marido) e levei ao forno alto.
Depois de assadas, arrumei as almôndegas num refratário, cobri com molho de tomate e deixei no forno, desligado mesmo, só para manter o prato aquecido.
Está muito frio aqui por estes dias e os alimentos esfriam rápido demais.
Outra alteração que fiz foi passar as bolinhas na farinha de rosca antes de assar, pra tentar formar uma casquinha. Funcionou bem.
Se quiser, varie o recheio das almôndegas. Da próxima vez quero colocar um pedacinho de queijo e um de azeitona.

Almôndegas à minha moda

500g de carne moída (use a de sua preferência)
2 colheres (sopa) cheias de cebolinha picada
1 cebola média picada
2 dentes de alho amassados
1 ovo
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
sal a gosto
molho de tomate

Coloque todos os ingrendientes no processador e bata por 2 minutos, ou até obter uma pasta homogênea - o meu processador é pequenininho, então fiz uma pasta com a cebola, o azeite, o alho e o sal e misturei à carne numa tigela, juntando a farinha e o ovo. Misturei bem com as mãos (usei luvas plásticas, mania minha).
Não se assuste com a consistência da massa. A cebola que usei tinha bastante suco, então achei que a massa estava mole demais e que nunca ficaria no formato que eu queria. Ficou, sim.
Molde as bolinhas do tamanho que preferir. Se quiser, recheie as almôndegas.
Tentei fazer um tamanho médio, porque achei que muito pequenas iam ressecar no forno e muito grandes demorariam muito para assar, correndo o risco de não ficarem bem cozidinhas por dentro.
Coloque as almôndegas numa assadeira levemente untada (eu uso anti-aderente) e leve ao forno por cerca de 30 minutos.
Retire do forno, arrume-as numa travessa bonita e cubra com o molho de tomate. Se quiser, polvilhe queijo ralado. Mantenha-as aquecidas até a hora de servir.

Rend.: 10 almôndegas (as minhas tinham cerca de 5cm de diâmetro de 4cm de altura).

terça-feira, agosto 01, 2006

Muffins-doughnuts de geléia (ou Nigella strikes again)



Vocês vão achar que tenho mania de geléia de goiaba. Na verdade, tenho mania de geléias em geral.
Adoro. Acho que é a "coisa" mais gostosa para se passar no pão, na torrada. E, para ser sincera, a de goiaba é uma das minhas preferidas.

A idéia de um muffin que ao mesmo tempo era um doughnut me pareceu muito interessante.
Fiz metade da receita com geléia de goiaba e a outra metade com Nutella. Para meu espanto, os de geléia ficaram bem mais saborosos. E olha que amo Nutella (who doesn't???)

Não sei que tamanho de forminhas a Nigella usa, mas os meus muffins renderam metade do que está no livro.
Confesso que tenho uma parcela de culpa - acabei exagerando na hora de colocar massa nas forminhas, queria que os muffins ficassem com um topo bem pomposo. Não funcionou. :( Mas ficaram gostosos.

A massa lembra um doughnut mesmo, é mais porosa do que massa de muffin.
Da próxima vez, entretanto, não vou colocar a cobertura de açúcar, porque fica doce demais pro café da manhã - e também preciso economizar um pouco nas calorias.
Bem feito, né? Quem mandou ir procurar receita no capítulo "children" do livro...

Muffins-doughnuts de geléia

1/2 xícara de leite
7 colheres (sopa) de óleo de milho ou outro vegetal (usei soja, mesmo)
1 ovo grande
1/2 colher (chá) de extrato de baunilha
1 1/3 xícaras de farinha de trigo com fermento
1/3 xícara de açúcar
12 colheres (chá) de geléia

Cobertura:
1/2 xícara de manteiga sem sal derretida
1/2 xícara de açúcar

Pré-aqueça o forno a 190ºC.
Peneire a farinha numa tigela e misture o açúcar. Com um garfo, bata juntos o leite, óleo, ovo e baunilha. Faça uma "cova" nos ingredientes secos e despeje os líquidos nela, mexendo tudo rapidamente (sem misturar demais). Coloque um pouquinho de massa no fundo de cada forminha, adicione 1 colher (chá) de geléia (ou outro recheio que vc preferir) e cubra com mais massa.
Asse por cerca de 20 minutos ou até que estejam completamente assados.
Retire-os do forno e proceda da seguinte forma para a cobertura: passe os muffins na manteiga e, em seguida, no açúcar.
Como eu usei forminhas de papel, só fiz isso no topo deles.
Se você usar forminhas de metal, pode passar o muffin todo na cobertura.

Rend.: 12 muffins (a minha receita rendeu 6) :(
Related Posts with Thumbnails