quarta-feira, abril 16, 2014

Mousse de chocolate branco, limão siciliano e limão taiti e o trailer de "Garota Exemplar"

English version

White chocolate, lemon and lime mousse / Mousse de chocolate branco, limão siciliano e limão taiti

O trailer de “Garota Exemplar” foi finalmente lançado e gente, que coisa maravilhosa: as cenas, as cores, a trilha (o pôster!), tudo parece ter sido feito sob medida para transformar um já ótimo livro em um filme bastante interessante.

Fincher é um dos meus diretores favoritos e ele é perfeito para histórias sombrias, sem contar que adoro o fato de ele não dar a mínima para o Oscar e fazer os filmes que quer do jeito que quer – sinto profunda admiração por alguém que não liga para as pessoas idiotas que ainda não deram um prêmio para Gary Oldman e Leonardo DiCaprio. :D

Li o livro há meses, mas ainda o tenho fresco na memória – espero que isso dure até outubro. A princípio eu não tinha curtido muito a ideia de Fincher de alterar o final do livro, mas depois que a Raquel me contou que a própria Gillian Flynn escreveu o novo final relaxei – vamos ver o que ela inventará para a tela grande.

Adoro chocolate branco, mas sei que pode ser um pouco doce demais às vezes: é por isso que gosto de usá-lo com sabores cítricos ou azedos. Nesta mousse o chocolate é combinado com raspas da casca de dois tipos de limão e há ainda o azedinho das framboesas para balancear as coisas – foi uma combinação perfeita, assim como David Fincher e histórias sombrias. :D

Mousse de chocolate branco, limão siciliano e limão taiti
um nadinha adaptada do Gordon Ramsay's Ultimate Home Cooking (comprei o meu aqui)

100g de chocolate branco picadinho
300ml de creme de leite fresco
raspas da casca de 1 limão taiti
raspas da casca de 1 limão siciliano
3 claras grandes
50g de açúcar cristal
150g de framboesas + algumas extras, para decorar

Coloque metade do creme de leite (150ml) em uma panelinha e leve ao fogo até que comece a ferver. Retire do fogo e imediatamente adicione o chocolate branco, mexendo até que derreta e a mistura fique homogênea. Deixe esfriar.

Coloque o creme de leite restante em uma tigela com as raspas de casca dos limões e bata com um batedor de arame até obter picos suaves. Gentilmente, incorpore o creme batido à mistura de chocolate, misturando de baixo para cima. Reserve.

Em outra tigela, usando a batedeira, bata as claras até obter picos suaves. Batendo, acrescente o açúcar aos poucos, 1 colher (sopa) por vez, até obter uma mistura brilhante, sedosa e firme, porém com picos ainda suaves. Gentilmente incorpore as claras à mistura de chocolate, misturando de baixo para cima, tentando manter o máximo de ar possível para obter uma mousse leve.
Divida as framboesas entre seis potinhos de 200ml e cubra-as com a mousse. Leve à geladeira por 4 horas ou de um dia para o outro, preferivelmente. Decore com framboesas e sirva.

Rend.: 6 porções

segunda-feira, abril 14, 2014

Muffins de amêndoa e pera e as alegrias do outono

English version

Pear and almond muffins / Muffins de amendoa e pera

Sei que muita gente fica triste quando olha pela janela e vê um dia nublado e chuvoso, mas eu não: na verdade, sinto uma alegria enorme quando o clima está assim, como hoje em São Paulo (também adoro dias frios com sol - acho que é o melhor dos dois mundos).

O outono chegou, aparentemente (mas vamos falar baixo ou a temperatura pode decidir passar dos 30°C de novo), tempo de sopas e ensopados, chocolate quente, e de maçãs e peras, frutas que adoro - e este ano pretendo experimentar alguma receita com marmelo, também. Estes muffins, deliciosos e macios, com um toque de limão siciliano e amêndoa, valeram todo o sacrifício que foi desenformá-los: sua textura delicada combinada à umidade da pera tornaram difícil a tarefa de retirá-los da forma, mas nada que um pouquinho de paciência e uns palavrões aqui e ali não resolvessem. ;)

Muffins de amêndoa e pera
um nadinha adaptados do lindíssimo Love, Bake, Nourish: Healthier cakes and desserts full of fruit and flavor

Cobertura de fruta:
2 peras pequenas, sem os miolos, em fatias bem fininhas
20g de manteiga sem sal, derretida
1 colher (sopa) de açúcar demerara

Muffins:
125g de manteiga sem sal, amolecida
65g de mel de sabor suave
100g de açúcar cristal
2 ovos grandes
1 colher (chá) de extrato de baunilha
150g de farinha de trigo peneirada
1 colher (chá) cheia de fermento em pó
1 pitada de sal
60g de farinha de amêndoa
50ml de leite integral, temperatura ambiente
raspas da casca de 1 limão siciliano

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte generosamente com manteiga uma forma de muffins com 12 cavidades (usei esta) ou forre-a com forminhas de papel (eu untei a forma e foi difícil desenformar os bolinhos, por isso recomendo usar as forminhas de papel como a Valentina fez).
Coloque as fatias de pera em uma tigela, regue com a manteiga derretida e salpique com o açúcar demerara. Misture bem para cobrir as fatias de pera e então arrume-as no fundo das forminhas de muffin, apertando bem.


Muffins: na batedeira, bata a manteiga, o mel e o açúcar até obter um creme claro e fofo. Junte os ovos, um a um, batendo a cada adição, e adicione 1 colherada da farinha de trigo caso a mistura pareça talhada. Raspe as laterais da tigela. Acrescente a baunilha e bata. Com uma espátula de silicone, incorpore gentilmente a farinha de trigo restante, o fermento, o sal, a farinha de amêndoa, o leite e as raspas de casca de limão, misturando de baixo para cima até incorporar os ingredientes. Espalhe a massa sobre as fatias de pera e asse os muffins por 20-25 minutos ou até que cresçam e dourem (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado, transferindo para a gradinha. Sirva mornos ou em temperatura ambiente.

Rend.: 12 unidades

sábado, abril 12, 2014

Asinhas de frango grudentinhas e deliciosas e zonas de conforto

English version

Sticky chicken wings / Asinhas de frango grudentinhas e deliciosas

Admiro quem sai de sua zona de conforto: não é algo fácil de fazer, nem todo mundo está pronto para isso, então parabéns para quem o faz. Mas ao mesmo tempo fico pensando que se estamos fazendo algo realmente bem, por que não continuar fazendo?

A vida é equilíbrio, acho.

Pensei nisso quando vi o pôster de “Maps to the Stars”, do Cronenberg – lá vai ele de novo trabalhar com Robert Pattinson (o cara que tornou impossível ver mais do que trinta minutos de “Cosmópolis”). Ah, David, já deu, né? É bacana variar as coisas de vez em quando, te admiro por isso, mas deixe de tontice e volte a trabalhar com Viggo, por favor. Volte àquela zona de conforto talentosa, lhe imploro.

Quando quero algo gostoso para o almoço e não tenho tempo de ficar procurando por aí fico na minha zona de conforto “alimentícia” e recorro a fontes em que confio: Nigella, Martha, Jamie – eles dificilmente desapontam. Bill Granger é parte da lista, também, com suas receitas sempre simples e gostosas, como estas asinhas que além de facílimas de preparar são, literalmente, de lamber os dedos.

Asinhas de frango grudentinhas e deliciosas
um tiquinho adaptadas do delicioso Holiday

4 ½ colheres (sopa) de mirin
4 ½ colheres (sopa) de molho de soja (shoyu)
3 colheres (chá) de açúcar cristal ou refinado
2 dentes de alho grande, amassados
1 colher (chá) de gengibre fresco ralado
1 colher (chá) de cominho em pó
suco de 1 limão taiti
pimenta do reino moída na hora
16 asinhas de frango, sem as pontinhas
cebolinha em fatias fininhas, para servir

Em uma tigela rasa e não metálica, misture o mirin, o molho de soja, o açúcar, o alho, o gengibre, o cominho, o suco de limão e a pimenta e adicione o frango, cobrindo bem com a marinada. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por pelo menos 4 horas (ou de um dia para o outro).

Pré-aqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande, de beiradas baixas, com uma camada dupla de papel alumínio e pincele-o levemente com óleo. Retire as asinhas da marinada e arrume-as sobre o papel alumínio, sem sobrepor. Asse por 30 minutos, virando-as uma vez.
Enquanto isso, despeje a marinada em uma panelinha e ferva em fogo baixo até reduzir pela metade. Despeje sobre o frango e asse por mais 10-15 minutos ou até que as asinhas fiquem bem douradas e grudentas. Salpique com a cebolinha picada e sirva imediatamente.

Rend.: 4 porções

quinta-feira, abril 10, 2014

Bolo Madeira de limão siciliano e o poder da calda

English version

Lemon Madeira cake / Bolo Madeira de limão siciliano

Sim, eu fiz mais um bolo de limão siciliano. De novo. É um vício, não consigo me controlar. :D

Bolos são os doces de que mais gosto de fazer, limão siciliano é o meu sabor favorito e sempre tenho um ou dois deles na geladeira – fica fácil decidir. Entretanto, quando este bolo esfriou e cortei uma fatia dele, achei que precisava de algo mais – era um bolo simples (do tipo que adoro), mas precisava de um tchan: precisava ser pincelado com uma calda quente de limão – isto tornou um bom bolo em um bolo maravilhoso.

Acho que o pessoal por trás de “Mad Men” decidiu pincelar calda quente de limão por todo o seriado no meio da sexta temporada – uhú! \0/

Bolo Madeira de limão siciliano
um tiquinho adaptado do lindíssimo Seasonal Baking

Bolo:
100g de manteiga sem sal, derretida e fria
280g de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
4 ovos grandes
300g de açúcar cristal
raspas da casca de 2 limões sicilianos
suco de 1 limão siciliano
150ml de creme de leite fresco

Calda:
2 colheres (sopa) de suco de limão siciliano
50g de açúcar cristal

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte generosamente com manteiga e enfarinhe uma forma de furo central (tipo Bundt) com capacidade para 10 xícaras de massa.
Peneire a farinha, o fermento e o sal em uma tigela e reserve. Na batedeira, bata os ovos, o açúcar e as raspas da limão até obter um creme bem claro e espesso. Com uma colher grande ou espátula de silicone, gentilmente incorpore o creme de leite à mistura, seguido dos ingredientes peneirados, a manteiga e o suco de limão – misture apenas até misturar os ingredientes, não mexa demais para não perder o ar incorporado à massa. Transfira para a forma preparada e asse por cerca de 50 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe o bolo esfriar na forma por 15 minutos, e então desenforme sobre uma gradinha e deixe esfriar.

Calda: coloque o suco de limão e o açúcar em uma panelinha e leve ao fogo médio até que comece a ferver. Ferva em fogo baixinho por 1 minuto, retire do fogo e pincele o bolo generosamente com a calda quente. Deixe esfriar antes de servir.

Rend.: 10-12 porções

segunda-feira, abril 07, 2014

Frutas vermelhas com calda de chocolate branco e limoncello e "Noé"

English version

Iced berries with limoncello white chocolate sauce / Frutas vermelhas com calda de chocolate branco e limoncello

O que faz uma ateia assistir a um filme baseado em uma história bíblica? No meu caso, Darren Aronofsky – ele é um dos meus diretores favoritos e eu vejo qualquer coisa que ele faça, mesmo que seja sobre algo em que não acredito.

Acho incrível que Aronofsky tenha feito um filme sobre um personagem da bíblia e ainda assim não o tenha pintado com fortes tons religiosos – o Noé dele é humano, e por causa disso é cheio de falhas (e interpretado perfeitamente por Russell Crowe). É interessante ver traços de outros filmes do diretor em “Noé”, como o visual dos sonhos do personagem, a muitas vezes sufocante trilha sonora e, a parte que mais amei no filme, quando Noé conta para sua família como o mundo foi criado – lindíssima, a cena me emocionou e ao final dela eu estava com os olhos marejados.

Não acho “Noé” o melhor filme de Aronofsky até hoje e definitivamente não é o meu preferido – “Réquiem para Um Sonho” é – mas ainda assim é bem melhor do que muitos filmes que vi ultimamente. Posso confiar em Aronofsky para fazer algo incomum e interessante toda vez, mesmo que não seja um favorito meu – sei que ele fará algo para ser comentado, discutido, e isso é mais do que posso dizer sobre muitos diretores. Ele criou algo belo mesmo quando teve o orçamento drasticamente reduzido (e pensar que Brad Pitt deixou o projeto para participar do pífio “Tróia” – que patético).

Do mesmo jeito que confio em Aronofsky quando o assunto é cinema, sei que posso confiar em Nigella quando o assunto é comida – eu provavelmente teria ignorado esta receita se não fosse por ela; pode não ser uma sobremesa favorita, mas é certamente uma ideia boa para aquela vontade repentina de comer um docinho (ou para visitas repentinas, também).

Frutas vermelhas com calda de chocolate branco e limoncello
do ótimo Nigellissima: Instant Italian Inspiration

500g de frutas vermelhas congeladas (sem descongelar antes)
4 colheres (sopa) de limoncello – usei caseiro
1 xícara (240ml) de creme de leite fresco
200g de chocolate branco bem picadinho

Retire as frutas vermelhas do freezer e arrume-as em um prato ou tigela rasa em uma única camada (use um prato que não seja completamente plano, caso contrário a calda vazará). Regue as frutas com 2 colheres (sopa) do limoncello e reserve por 5 minutos – enquanto isso, coloque o creme de leite e as 2 colheres (sopa) restantes de limoncello em uma panelinha e leve ao fogo até que comece a ferver (não deixe que isso aconteça). Retire do fogo e junte o chocolate branco, girando a panela para que este fique submerso. Gire a panela mais uma vez para garantir que o chocolate derreta.
Com uma espátula de silicone, misture a calda gentilmente para que fique homogênea e então derrame sobre as frutas vermelhas. Sirva imediatamente.

Rend.: 4-6 porções

sexta-feira, abril 04, 2014

Frango assado com pasta de curry vermelha, algo forte e algo mais suave

English version

Roast curry chicken / Frango assado com pasta de curry vermelha

Ao começar a ler a notícia sobre os livros encadernados com pele humana descobertos em Harvard imediatamente pensei em Sam Raimi e em “A Morte do Demônio”, e ao final do artigo descobri que o autor pensara neles, também. :)

Filmes são uma questão de gosto, assim como comida: este franguinho assado simplíssimo, amaciado pelo buttermilk e temperado pela pasta de curry, é uma ideia boa até para dias mais agitados, já que o forno faz todo o trabalho – você só precisa de tempo para deixar a marinada cumprir seu papel enquanto o frango repousa na geladeira. Entretanto, nem todo mundo gosta de comida super picante, e pastas de curry variam em intensidade e sabor, sendo umas mais ardidas do que outras, por isso prove a pasta que comprar antes de adicioná-la à marinada: ela pode ser fortíssima como o filme de 1981 ou mais suave como a versão de 2013. ;)

Frango assado com pasta de curry vermelha
adaptado do delicioso e lindíssimo Feed Me Now!

3 colheres (sopa) de leite integral
suco de 3 limões taiti grandes
3 colheres (sopa) de pasta de curry vermelha*
2 dentes de alho, amassados até virarem purê
sal e pimenta do reino moída na hora
8 pedaços de frango – use os seus preferidos

Em uma tigela grande e rasa, misture o leite e o suco de limão e reserve por 10 minutos (assim você obterá buttermilk, ingrediente que deixa o frango bem macio). Junte a pasta de curry, o alho, sal e pimenta e misture. Adicione os pedaços de frango, vire-os para cobrir bem com a mistura e cubra com filme plástico. Leve à geladeira por pelo menos 4 horas ou de um dia par ao outro.

Pré-aqueça o forno a 190°C. Forre uma assadeira grande (em que caibam os pedaços de frango sem que fiquem sobrepostos) com uma camada tripla de papel alumínio e pincele-o levemente com óleo ou azeite. Arrume os pedaços de frango sobre o papel, um ao lado do outro, e regue com a marinada. Asse por 60-70 minutos ou até dourar bem (cozinhe de acordo com a sua preferência, mais clarinho ou mais dourado).
Sirva em seguida.

*pastas de curry variam em intensidade e sabor, umas são mais ardidas do que outras, por isso prove antes de temperar o frango e ajuste a quantidade de acordo com a sua preferência – eu usei esta pasta (comprei na Casa Santa Luzia)

Rend.: 4 porções

quarta-feira, abril 02, 2014

Muffins de maçã e pecã e sendo corajosa (?)

English version

Apple pecan muffins / Muffins de maçã e pecã

O que mais ouvi nestas quase duas semanas de cabelo bem curtinho foi “nossa, como você é corajosa!” e ainda não descobri como devo responder corretamente ao comentário já que não acho que coragem tenha algo a ver com cortar o cabelo – eu não acho que devo ser parabenizada, não fiz nada... corajoso. :)

É óbvio que quero que meu cabelo fique bacana, mas não sou apegada a ele em termos de comprimento, nunca fui. Apenas não acho que longo = bonito necessariamente, mas parece que a maioria das mulheres que conheço pensa assim, inclusive minha irmã. Estava fazendo as unhas outro dia quando vi uma menina bem jovem (vinte anos, talvez) cortando o cabelo bem curtinho como o meu, e o cabeleireiro olhou pra mim e disse: “corto cabelo há tantos anos e é bem raro me pedirem este tipo de corte... Eu acho lindo, mas a maioria das mulheres simplesmente não topa. Acho que as que o fazem não se importam muito com a opinião dos outros...” – sorri pra ele, balancei a cabeça e me lembrei de um texto que lera havia um tempo. Acho que são mesmo as minhas bochechas (e o meu rosto redondo) contra o mundo (e olhem que de bochechas eu entendo, e muito). ;D

Agora, se vocês querem mesmo discutir coragem, façam estes muffins e comam apenas um – isso sim é o que eu chamo de bravura. :D

Muffins de maçã e pecã
um nadinha adaptados do delicioso The Seasonal Baker: Easy Recipes from My Home Kitchen to Make Year-Round

- xícara medidora de 240ml

2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
2 maçãs Granny Smith grandes, descascadas, miolos removidos, em cubinhos
1 colher (sopa) + ¾ xícara (150g) de açúcar cristal
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
½ colher (chá) de sal
2 colheres (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
½ colher (chá) de canela em pó
½ xícara (120ml) de óleo de canola
2 ovos grandes
¾ xícara (180ml) de leite integral
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
150g de pecãs picadas, tostadas ligeiramente e frias + 12 metades de pecãs para decorar os muffins
açúcar demerara, para polvilhar

Derreta a manteiga em uma panela média em fogo médio. Junte as maçãs e 1 colher (sopa) do açúcar e cozinhe até que as maçãs estejam macias, mas não moles demais, 5-7 minutos. Retire do fogo e deixe esfriar completamente.
Pré-aqueça o forno a 190°C. Unte com manteiga uma forma de muffin com 12 cavidades.
Em uma tigela grande, misture com um batedor de arame a farinha, o sal, o fermento, o bicarbonato e a canela. Reserve.
Em uma tigela média, misture com um batedor de arame os 150g restantes de açúcar e o óleo. Adicione os ovos, o leite e a baunilha e misture. Junte aos ingredientes secos e misture apenas até que estes sejam absorvidos – não mexa demais, massa de muffin é empelotada mesmo, se mexer demais os muffins fiarão duros. Gentilmente, incorpore as maçãs e as pecãs.
Divida a massa entre as forminhas untadas e coloque uma metade de pecã no topo de cada muffin. Salpique com açúcar demerara.
Asse por cerca de 20 minutos ou até que os muffins cresçam e dourem – faça o teste do palito.
Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com jeitinho, transferindo para a gradinha. Sirva mornos ou em temperatura ambiente.

Rend.: 12 unidades – fiz metade da receita e consegui 8 muffins usando esta forma

segunda-feira, março 31, 2014

Bolo de banana com mesclado de geleia e versatilidade

English version

Banana-jam swirl bread / Bolo de banana mesclado com geleia

Ao abrir o freezer para separar claras para fazer financiers encontrei quatro bananas congeladas guardadinhas lá, ao lado de um pacote de ervilhas. Na hora pensei “ok, financiers e bolo de banana” – nada de errado com isso, né? :)

Daí abri a geladeira para pegar manteiga e vi um vidro de geleia de framboesa (não vivo sem geleia, comprei outro pote logo depois de usar o restinho que tinha em casa para preparar estas blondies) e isso acionou a minha memória: tinha quase 100% de certeza de ter visto um bolo de banana com geleia em algum lugar (aqui, para ser mais precisa). Então decidi que o meu bolo de banana (neste caso, um banana bread) teria geleia, sim, mas de framboesa, pois acho a de morango um pouquinho doce demais. O efeito marmorizado ficou lindo e o sabor ótimo, também.

Bolos ou muffins de banana são gostosuras bem versáteis, não? São deliciosos puros, com frutas vermelhas, chocolate, coco, xarope de bordo, mel, com glacê de limão e com geleia – lembram o talentoso (e bonitão) Mark Ruffalo, quem vi esta manhã sendo fofinho e engraçado no trailer de “Begin Again” e fisicamente transformado e sombrio no filme que mais quero ver este ano.

Bolo de banana com mesclado de geleia
do delicioso Better Homes and Gardens Baking: More than 350 Recipes Plus Tips and Techniques

- xícara medidora de 240ml

2 xícaras (280g) de farinha de trigo
1 ½ colheres (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de bicarbonato de sódio
½ colher (chá) de canela em pó
¼ colher (chá) de sal
¼ colher (chá) de noz-moscada moída na hora
2 ovos, levemente batidos com um garfo
1 xícara de bananas bem maduras e amassadas (cerca de 4 médias)
1 xícara (200g) de açúcar cristal
½ xícara (120ml) de óleo de canola ou manteiga derretida (usei ¼ xícara de cada)
1 colher (chá) de extrato de baunilha
½ xícara geleia de framboesa

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma de bolo inglês de 22,5x12,5cm, forre com papel manteiga e unte o papel também.

Em uma tigela grande misture a farinha, o fermento, o bicarbonato, a canela, o sal e a noz-moscada. Faça um buraco no centro e reserve.
Em uma tigela média misture os ovos, a banana, o açúcar, o óleo e a baunilha. Despeje no centro dos ingredientes secos misture apenas até que os secos fiquem úmidos (a mistura será empelotada como massa de muffin). Transfira para a forma preparada e espalhe uniformemente. Espalhe a geleia sobre a massa e com uma faca sem ponta ou espátula pequena misture levemente para obter o efeito marmorizado. Asse por 55-60 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma por 15 minutos e então desenforme com cuidado. Transfira para uma gradinha e deixe esfriar completamente.

Rend.: 8-10 porções

sexta-feira, março 28, 2014

Pimentões recheados com carne, cuscuz marroquino e chorizo - dedicados a duas certas crianças

English version

Chorizo, beef and couscous stuffed peppers / Pimentões recheados com carne, cuscuz marroquino e chorizo

Lendo as "notícias" dias atrás na People Online descobri que Gwyneth Paltrow e Chris Martin haviam se separado. Ok, tudo bem, divórcios acontecem, são parte da vida. Já estão tirando sarro do texto publicado pela Gwyneth em seu site (“conscious uncoupling” - haha) e como não presto mesmo confesso que gargalhei com este link - acho que é questão de tempo até as crianças pedirem para morar com o pai, certo? :D

Quando Apple e Moses se mudarem para a casa do Chris Martin ele pode preparar esta receita para eles: os pimentões recheados são uma delícia e enquanto assam o papai pode brincar com os filhos e até mesmo compor uma canção especial para eles - a mamãe não estará por perto para proibi-los de comer pimentão... :D

Pimentões recheados com carne, cuscuz marroquino e chorizo
da revista Dish

- xícara medidora de 240ml

6 pimentões vermelhos
¼ xícara de cuscuz marroquino
¼ xícara de água fervente
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 cebola bem picadinha
1 cenoura ralada
2 dentes de alho amassados e picadinhos
1 colher (chá) de páprica defumada
1 chorizo bem picadinho – já tinha em casa, caso contrário teria usado qualquer linguiça defumada
¼ xícara de salsinha picada – pique, depois meça
400g de carne bovina moída
sal and pimenta do reino moída na hora

Molho:
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 cebola bem picadinha
2 dentes de alho, amassados e picadinhos
½ colher (chá) de páprica defumada
1 lata de 400g de tomates pelados picados
1 punhado de manjericão fresco

Pré-aqueça o forno a 180°C.
Molho: em uma panela pequena, aqueça o azeite e refogue a cebola, o alho e a páprica até a cebola amaciar. Junte os tomates, tempere com sal e pimenta e cozinhe em fogo médio, mexendo às vezes, por cerca de 10 minutos. Junte o manjericão, misture, cubra e retire do fogo. Reserve.

Pimentões: coloque o cuscuz e a água em uma tigelinha, cubra e aguarde 10 minutos. Corte os topos dos pimentões e remova as sementes e as membranas, mantendo os pimentões inteiros. Coloque-os em uma tigela grande e cubra com água fervente. Reserve por 5 minutos e então escorra-os bem.
Enquanto isso, aqueça o azeite em uma panela ou frigideira e refogue a cebola, a cenoura, o alho e a páprica até a cebola amaciar. Junte o chorizo e a salsinha e cozinhe por 1 minuto. Transfira para uma tigela grande e deixe esfriar. Junte o cuscuz e a carne moída, tempere bem com sal e pimenta e misture.

Montagem: segure cada pimentão na posição vertical e coloque porções de recheio dentro deles, empurrando-as para baixo (use o cabo de uma colher de pau se necessário). Repita com os outros pimentões (pode sobrar recheio). Espalhe o molho de tomate em uma assadeira em que caibam os pimentões um ao lado do outro e arrume-os sobre o molho, colocando a “tampinha” de volta em cada um (eu as prendi com palitos de dente). Faça bolinhas (como almôndegas) com o recheio restante e espalhe-as as lado dos pimentões. Regue tudo com um fio de azeite, cubra bem com papel alumínio e leve ao forno por 40 minutos. Retire o papel alumínio e asse por mais 10 minutos ou até que os pimentões estejam macios (espete-os com um garfo para verificar).

Rend.: 4-6 porções – fiz uma receita inteira de molho, metade da de recheio, recheei dois pimentões bem grandes e sobraram seis “almondeguinhas”

quarta-feira, março 26, 2014

Blondies de amendoim salgado e "Wallander"

English version

Salted peanut blondies / Blondies de amendoim salgado

Por ter chegado ao final da terceira temporada de “The Killing” há alguns dias – estou ansiosa pela quarta temporada – eu precisava de um novo seriado para seguir (eu sei que isso parece papo de viciado, mas é bem isso mesmo, vício em séries de TV). A ideia era começar “American Horror Story”, mas deparei com “Wallander” e aí a competição ficou injusta por causa do meu amor por Sir Kenneth Branagh.

Ainda estou no começo da primeira temporada e adorando – menino Kenneth é garantia de coisa boa, não erra, é um ator fantástico. O seriado é um drama policial, o que é para mim é sempre bom, e Loki faz parte do elenco – como não amar? :D

Quando estou com pressa e/ou sem inspiração para escolher qual docinho preparar, geralmente recorro a brownies; entretanto, ultimamente tenho feito algumas receitas de blondies, pois elas são igualmente fáceis de fazer; Começo a achar que blondies são garantia de coisa boa, especialmente se estiverem pontilhadas de chocolate ao leite e cobertas de amendoim salgados – nham. :)

Blondies de amendoim salgado
um nadinha adaptadas do lindíssimo Sweet

- xicara medidora de 240ml

2 xícaras (280g) de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de sal
170g de manteiga sem sal, amolecida
250g de açúcar mascavo claro
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
2 ovos grandes
115g de chocolate ao leite, em gotas ou pedacinhos
100g de amendoins salgados, picados

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma retangular de 20x30cm, forre com papel alumínio deixando sobras nos dois lados mais longos (opostos), formando “alças”, e unte o papel também.
Peneire juntos a farinha, o fermento e o sal. Reserve.
Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar mascavo em velocidade média até obter um creme claro e fogo. Junte a baunilha. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Em velocidade baixa, acrescente os ingredientes secos ½ por vez, misturando bem a cada adição. Raspe as laterais e o fundo da tigela. Acrescente as gotas de chocolate e misture por cerca de 1 minuto.
Espalhe a massa na forma preparada e alise a superfície. Salpique com os amendoins. Asse por cerca de 40 minutos ou até que as beiradas pareçam sequinhas e o topo esteja levemente dourado – um palito inserido no centro deve sair com algumas migalhas úmidas. Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Corte em quadradinhos ou barrinhas para servir.

Rend.: 32 blondies

segunda-feira, março 24, 2014

Bolo de creme de leite, laranja e limão e como cheguei à minha mais recente obsessão "seriadística"

English version

Cream, orange and lime cake / Bolo de creme de leite, laranja e limão

Tenho atormentado vocês falando de “The Killing” há vários posts, mas ainda não lhes contei como cheguei ao seriado: foi por causa de “Robocop”.

Fiquei interessada no filme por várias razões: foi dirigido pelo José Padilha, o original é um favorito meu e o elenco é maravilhoso. Entretanto, eu não sabia nada sobre o protagonista: vira Joel Kinnaman por alguns segundos na versão do Fincher para “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” e só. Gostei demais de “Robocop” e depois de assistir ao filme fui ler a respeito – cheguei a Kinnaman, depois a “The Killing”, e quando a minha amiga Neyara disse que eu certamente iria adorar a série dei uma chance ao programa, apenas para me tornar viciada ao final do primeiro episódio e sair devorando temporada atrás de temporada (mas isso vocês já sabem). ;)

Moderação não parece ser algo familiar para mim quando o assunto é seriado ou filme e aparentemente isso me falta na cozinha, também: havia comprado creme de leite fresco para fazer o sorvete de chocolate em forma de picolé de novo – meu marido não enjoa dele – mas perdi as contas da quantidade do ingrediente e quando vi tinha uma garrafinha na geladeira prestes a vencer. Não poderia deixar tal desperdício acontecer, por isso adaptei um bolo que vira na revista Delicious feito com clotted cream e tenho de dizer que foi uma saída genial – e bem saborosa – para o problema. ;)

Bolo de creme de leite, laranja e limão
um tiquinho adaptado da ótima Delicious magazine UK

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
4 ovos grandes
450g de açúcar cristal
2 xícaras de creme de leite fresco
raspas da casca de 2 laranjas
raspas da casca de 3 limões taiti
1 colher (chá) de extrato de baunilha
400g de farinha de trigo
3 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada generosa de sal

Calda:
o suco das laranjas e limões usados no bolo
8 colheres (sopa) de açúcar cristal

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga duas formas de bolo inglês com capacidade para 900g cada, forre-as com papel manteiga e unte o papel também.
Com a batedeira, bata os ovos e o açúcar por 3-5 minutos ou até obter um creme espesso, claro e quase o dobro em volume. Gentilmente (velocidade baixa) acrescente o creme de leite, as raspas de casca de laranja e limão e a baunilha. Peneire a farinha, o fermento e o sal sobre a mistura e, com uma espátula de silicone, incorpore os ingredientes misturando levemente, de baixo para cima. Divida a massa entre as formas e leve ao forno por cerca de 1 hora ou até que os bolos cresçam e dourem (faça o teste do palito).
No final do tempo de forno, prepare a calda: em uma panelinha, aqueça os sucos até que comecem a borbulhar. Desligue o fogo, aguarde 2 minutos e misture o açúcar.
Assim que os bolos saírem do forno, fure-os com um palito longo e, aos poucos, derrame a calda quente sobre eles, deixando que absorvam as porções antes de derramar mais. Deixe esfriar nas formas por 30 minutos e então desenforme com cuidado, transferindo para uma gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 2 bolos, servem 6-8 cada

sexta-feira, março 21, 2014

Quiche de presunto e rúcula e algo bom que vai durar pouco

English version

Ham and arugula quiche / Quiche de presunto e rúcula

Conforme chego aos últimos episódios de "The Killing" me pego pensando no quão injusto é uma série tão excelente ser cancelada tão cedo (já foram dois cancelamentos, o que me deixa mais perplexa). Li que o Netflix encomendou uma quarta temporada com seis episódios para concluir a série – obrigada, Netflix – mas mesmo assim acho difícil entender como algo tão bom pode durar tão pouco – a chatésima “Frasier” teve onze temporadas.

Nunca como quiches e não ser quando eu mesma as faço (ou minha avó – as quiches dela são fenomenais): a massa, geralmente empapada, não tem sabor algum e o recheio é duro e igualmente sem gosto. :S Quando como quiche quero uma massinha amanteigada e que desmanche na boca, e o recheio tem de ser sedoso, daqueles que balançam levemente ao mexermos na torta. A receita que trago hoje é um pouquinho diferente: a base é feita de massa folhada – o que foi perfeito para mim já que estava bem sem tempo naquele dia – e o parmesão salpicado por cima do recheio cria uma crostinha dourada e crocante – obrigada, Donna.

Acho que boa comida bem feita é como bons seriados de TV: nem sempre é possível tê-los, por isso quando temos é melhor aproveitarmos ao máximo.

Quiche de presunto e rúcula
da sempre deliciosa Donna Hay magazine

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de manteiga sem sal
1 cebola bem picadinha
8 ovos
1 xícara (240ml) de creme de leite fresco
sal e pimenta do reino moída na hora
2 pacotes de massa folhada descongelada
250g de presunto fatiado e rasgado
2 xícaras de rúcula baby (usei comum)
½ xícara de parmesão ralado bem fininho – rale, depois meça

Pré-aqueça o forno a 200°C e coloque uma assadeira grande, de beiradas baixas, para aquecer dentro do forno.
Em uma frigideira, aqueça a manteiga e junte a cebola, refogando por 1-2 minutos ou até dourar. Transfira para uma tigela grande e deixe esfriar. Junte os ovos, o creme de leite, o sal e a pimenta e misture com um batedor de arame até incorporar.
Unte levemente com manteiga duas assadeiras de torta de fundo removível de 18cm de diâmetro cada e forre-as com a massa folhada, retirando o excesso. Faça furinhos no fundo da massa com um garfo e leve à geladeira por 10 minutos.
Divida o presunto e a rúcula entre as formas e com jeitinho derrame a mistura de ovos sobre eles. Salpique com o parmesão e leve ao forno (sobre a assadeira quente) até que os topos das quiches dourem e estufem. Deixe esfriar um pouquinho e sirva.

Rend.: 8 porções – fiz três quiches de 10cm cada usando rúcula e presunto a olho, 1 pacote de 300g de massa folhada, 3 ovos, 1/3 xícara de creme de leite fresco, 1 pitada de noz-moscada ralada na hora, ½ cebola, 1 colher (sopa) de manteiga e 3 colheres (sopa) de parmesão


quarta-feira, março 19, 2014

Bolo de ameixa e marzipã com cardamomo para o final do verão

English version

Plum and marzipan torta with cardamom sugar / Bolo de ameixa e marzipã com cardamomo

Mal posso esperar pela chegada do outono – nunca gostei do calor e já estou bem cheia das altas temperaturas por aqui. O verão nunca foi um favorito meu, nem mesmo quando criança, então vocês podem imaginar o quão desconfortáveis os últimos meses tem sido para mim.

Há uma coisa boa no verão: os legumes, verduras e frutas típicos desta época do ano. Milho, tomates e as frutas com caroço – delícia. Entretanto, enquanto folheava alguns livros de receita semanas atrás, me toquei de que o verão está chegando ao fim e eu não fiz quase nada com as frutas que tanto adoro. Ando fazendo doces com cítricos ou chocolate ou manteiga de amendoim e deveria aproveitar as frutas enquanto ainda há tempo.

Por esta razão decidi fazer pelo menos uma das receitas com ameixas que vi na última Gourmet Traveller (e pretendo fazer outra no final de semana): este bolo (chamado na receita original de “torta”), lindamente apresentado com as metades brilhantes de ameixa. A adição de marzipã foi ideia minha porque tudo de amêndoa sempre vai muito bem com tudo de frutas de caroço – desta vez não foi diferente e fiquei bem orgulhosa. ;)

Bolo de ameixa e marzipã com cardamomo
um tiquinho adaptado da sempre lindíssima Gourmet Traveller

Ameixas cozidas:
½ xícara (100g) de açúcar cristal
200ml de água
5 ameixas, cortadas ao meio, caroços removidos

Bolo:
½ xícara (120ml) de leite integral, temperatura ambiente
1 colher (sopa) de suco de limão siciliano
1 ovo
130g de açúcar cristal
225g de farinha de trigo
1 ½ colher (chá)s de fermento em pó
1 pitada de sal
60g de manteiga sem sal, derretida
1 colher (chá) de extrato de baunilha
raspas da casca de 1 limão siciliano
100g de marzipã, em pedacinhos – usei caseiro
2 colheres (sopa) de manteiga derretida, para pincelar o bolo

Cobertura de cardamomo e açúcar:
1 colher (sopa) de açúcar de confeiteiro
¼ colher (chá) de cardamomo moído na hora

Comece cozinhando as ameixas: em uma panela média, misture o açúcar e a água e leve ao fogo, mexendo até dissolver o açúcar. Assim que ferver, abaixe o fogo e acrescente as ameixas. Cozinhe até que fiquem macias, 10-12 minutos. Deixe esfriar.
Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre o fundo com papel manteiga e unte o papel também.
Em uma tigelinha, misture o leite e o suco de limão e reserve por 5 minutos. Em uma tigela grande, misture com um batedor de arame o ovo e o açúcar. Acrescente o leite, a farinha, o fermento, o sal, a manteiga derretida (60g), a baunilha e as raspas de limão e misture até obter uma massa homogênea. Espalhe a massa na forma preparada. Escorra as ameixas (despreze o líquido) e pressione-as gentilmente sobre a massa. Faça o mesmo com os pedacinhos de marzipã. Asse o bolo até que doure e cresça, 25-30 minutos (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma por 15 minutos e então desenforme com cuidado. Retire o papel e inverta o bolo novamente. Pincele-o com a manteiga derretida restante.
Misture o açúcar de confeiteiro com o cardamomo e salpique sobre o bolo ainda morno – sirva-o assim ou em temperatura ambiente. Este bolo é mais gostoso no dia em que é preparado.

Rend.: 6-8 porções – fiz exatamente a receita acima usando uma forma de torta de 20x28cm (com fundo removível)

segunda-feira, março 17, 2014

Waffles de chocolate e Super Mario

English version

Dark chocolate waffles / Waffles de chocolate

Levei um certo tempo, mas finalmente cedi e comprei uma máquina de waffle. :)

Por anos evitei comprar a máquina porque sabia que seria a única pessoa comendo os waffles, e eu realmente não precisava de mais uma guloseima indo parar na minha cintura. :S Também me parecia um desperdício de dinheiro. Porém, há vários meses, descobri que minha parceira no crime para todos os assuntos cinematográficos e doces – minha irmã – também adorava waffles, e então me toquei de que eu teria alguém com quem os dividir de vez em quando, alguém que gosta deles tanto quanto eu, e a máquina já não pareceu tão desnecessária assim. :D

Sábado passado tivemos uma tarde de Super Mario – é uma versão moderna do jogo, então minha irmã me deu um couro – seguida de waffles de chocolate fresquinhos regados com mel. Nós nos divertimos horrores – quase enlouquecemos meu marido com tanta gargalhada – e ela amou os waffles (eu também adorei). :)

Da próxima vez vou desafiá-la a jogar uma versão mais velhinha de Super Mario (para que eu possa dar um couro nela) – só vou ter de escolher outra receita de waffle para experimentarmos. :D

Waffles de chocolate
um nadinha adaptados da revista Bon Appétit

- xícara medidora de 240ml

2 xícaras (280g) de farinha de trigo
½ xícara (45g) de cacau em pó sem adição de açúcar
¼ xícara (44g) de açúcar mascavo – aperte-o na xícara na hora de medir
2 colheres (sopa) de açúcar cristal
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
½ colher (chá) de sal
3 ovos grandes, claras e gemas separadas
2 xícaras (480ml) de buttermilk*
½ xícara de óleo de canola
1 colher (chá) de extrato de baunilha
170g de chocolate meio-amargo ou amargo, picadinho – usei um com 53% de cacau

Pré-aqueça o forno a 120°C.
Em uma tigela grande, misture com o batedor de arame a farinha, o cacau, os açúcares, o fermento, o bicarbonato e o sal. Faça um buraco no centro da mistura e coloque aí as gemas, o buttermilk, o óleo e a baunilha. Misture com um garfo, incorporando aos poucos os ingredientes secos e mexa somente até combinar.
Usando uma batedeira, bata as claras até obter picos suaves. Em duas adições, incorpore-as à massa misturando gentilmente de baixo para cima. Incorpore o chocolate.
Aqueça a máquina de waffle em temperatura bem quente e unte-a levemente com spray. Coloque uma porção da massa no centro da máquina, tampe e cozinhe até que o waffle esteja completamente assado. Transfira para uma gradinha dentro de uma assadeira grande, cubra de maneira frouxa com papel alumínio e mantenha no forno enquanto prepara os outros waffles.
Sirva com mel.

* para fazer 1 xícara de buttermilk: coloque 1 colher (sopa) de suco de limão em uma xícara medidora de 240ml, complete com leite integral em temperatura ambiente e aguarde 10-15 minutos para sorar; use todo o conteúdo da xícara em usa receita

Rend.: 6 unidades – consegui 5


sexta-feira, março 14, 2014

Almôndegas de berinjela e Stephen Holder

English version

Eggplant "meatballs" / Almôndegas de berinjela

Alguns personagens coadjuvantes tem o poder de roubar a cena de seus colegas principais em filmes e seriados: Amy Poehler, por exemplo, é super engraçada, mas para mim Tom Haverford é o destaque de “Parks and Recreation”.

Terminei a primeira temporada do excelente “The Killing” e fiquei boba com a performance poderosa de Mireille Enos, mas Joel Kinnaman foi a verdadeira surpresa aqui: seu Stephen Holder é uma delícia de assistir, trazendo um necessário – e brilhantemente feito – alívio cômico a um seriado bastante sombrio. Ele tem as melhoras falas e as interpreta perfeitamente, me fazendo gargalhar em vários momentos – uma das minhas cenas preferidas é quando Linden lhe diz que se ele é vegetariano não pode comer torresmo e ele responde que “torresmo é junk food, não conta” (aqui aos 1:10 para quem quiser rir). :D

Estas almôndegas, feitas de berinjela sem um mísero tiquinho de carne sequer, são deliciosas – eu as servi com macarrão, ficaram ótimas assim. A massa é bem molinha e demorei um pouco para conseguir moldar as bolinhas – pensei em adicionar um ovo à massa para facilitar as coisas, mas desisti da ideia ao ver meu marido beliscando enquanto eu a moldava; juntei um pouco mais de farelo de pão e funcionou – só tive de fritá-las com bastante jeitinho para que não desmanchassem.

Acho que estas “almôndegas” de berinjela serão um sucesso na sua casa, também – sejam vocês verdadeiros vegetarianos ou vegetarianos à la Holder. :D

Almôndegas de berinjela
um tiquinho adaptadas do A Girl Called Jack: 100 Delicious Budget Recipes

1 berinjela
1 cebola bem picadinha
1 dente de alho grande bem picadinho
1 pimenta vermelha bem picadinha
3 azeitonas pretas grandes, bem picadinhas
2 colheres (sopa) de óleo de canola
raspas da casca + o suco de 1 limão siciliano pequeno
cerca ¼ xícara de farelo de pão
2 colheres (sopa) de parmesão ralado bem fininho
1 punhado pequeno de folhas de salsinha, picadas
1 punhado pequeno de folhas de manjericão, picadas
sal e pimenta do reino moída na hora
molho de tomate, para servir

Corte as pontas da berinjela e então corte ao meio no sentido do comprimento. Pique a berinjela em pedaços pequenos e transfira para uma frigideira ou panela antiaderente. Junte a cebola, o alho, a pimenta vermelha, as azeitonas e 1 colher (sopa) do óleo e leve ao fogo médio, cozinhando por 10 minutos ou até que amacie e doure.

Acrescente as raspas e o suco de limão, misture, e então retire do fogo. Transfira para uma tigela grande e deixe esfriar um pouco. Junte o farelo de pão, o parmesão e as ervas, tempere com sal e pimenta do reino e misture – se massa estiver mole demais para ser enrolada, junte mais farelo de pão e/ou leve à geladeira por alguns minutos. Forme bolinhas com a mistura – cerca de 1 colher (sopa) de mistura por almôndega. Limpe a frigideira antiaderente com papel toalha, aqueça a colher de óleo restante nela e frite as bolinhas com cuidado, até dourá-las de todos os lados. Retire do óleo, escorra em papel toalha e sirva imediatamente com o molho de tomate.

Rend.: cerca de 12 unidades

quarta-feira, março 12, 2014

Skillingsboller - um projeto delicioso para um dia de chuva + algo para acompanhar

English version

Skillingsboller

Adoro doces com castanhas e amêndoas e geralmente tenho pelo menos um tipo delas em casa – mantidas no freezer para que durem mais sem que fiquem rançosas. Às vezes perco a noção e compro muito de um certo tipo de nut e aí, mesmo com a ajuda do freezer, tenho de dar um jeito de usar os preciosos ingredientes.

O pacotinho de amêndoas em lascas no freezer implorando para ser usado coincidiu com a chegada deste livrinho lindo, e ser fã de cinnamon rolls só ajudou – foi fácil escolher a primeira receita a ser provada. Os pãezinhos ficaram uma delícia, absurdamente macios e perfumados de canela, com o toque crocante das amêndoas. Eles levam um bom tempo para ficarem prontos, admito, mas era um dia nublado e eu não tinha intenção alguma de sair de casa, por isso a receita se tornou um projeto perfeito.

Pãezinhos recém-saídos do forno + o sofá em um dia de chuva = alegria pura. E se há algo interessante para assistir, melhor ainda. \0/

Skillingsboller
do delicioso The Book of Buns

Massa:
500g de farinha de trigo comum
1 ½ colheres (chá) de fermento biológico seco
75g de açúcar cristal
1 xícara (240ml) de leite integral – aqueça até começar a ferver e depois deixe chegar à temperatura ambiente
¼ colher (chá) de sal
1 ovo
½ colher (chá) de cardamomo moído na hora
1 colher (chá) de extrato de baunilha
75g de manteiga sem sal, picada e em temperatura ambiente

Recheio:
100g de manteiga sem sal, temperatura ambiente
50g de açúcar cristal
50g de açúcar mascavo claro
1 colher (chá) de canela em pó
150g de amêndoas em lâminas, levemente tostadas e frias

Para pincelar:
1 ovo
1 colher (sopa) de água
1 pitada de sal
1 pitada de açúcar cristal
açúcar demerara, para polvilhar os pãezinhos

Coloque a farinha na tigela grande da batedeira, faça um buraco no centro e coloque nele o fermento e o açúcar. Derrame o leite sobre o açúcar e fermento, jogue um pouco de farinha sobre ele para cobri-lo, cubra a tigela com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora.
À mistura da tigela adicione o sal, o ovo, o cardamomo e a baunilha e misture em velocidade baixa para misturar (ou use uma colher de pau). Misture a massa em velocidade médio-baixa por 5 minutos (ou sove com as mãos por 10), junte a manteiga e misture por mais 5 minutos (ou dez usando as mãos) até obter uma massa lisa e elástica – nesse ponto a minha massa estava muito úmida por causa da manteiga, adicionei 20g de farinha e a massa ficou ótima, macia. Transfira para uma tigela grande levemente pincelada com manteiga, cubra com filme plástico e deixe crescer por 2 horas.

Recheio: misture a manteiga, os açúcares e a canela até homogeneizar. Reserve.
Unte levemente com manteiga uma forma retangular de 20x30cm.

Dê um soquinho na massa para retirar o excesso de ar e transfira-a para uma superfície levemente enfarinhada. Abra a massa com um rolo até obter um retângulo de 60x30cm. Espalhe o recheio de canela sobre a massa de maneira homogênea e salpique as amêndoas sobre ele. Começando pelo lado mais longo, enrole a massa firmemente, como se fosse um rocambole. Aperte as pontinhas para selar o recheio e então corte o cilindro de massa em 12 fatias iguais. Coloque as fatias com o lado cortado para cima na forma untada, cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer por 45 minutos – enquanto isso, pré-aqueça o forno a 200°C.
Em uma tigelinha, bata com um garfo o ovo, a água, o sal e o açúcar cristal. Pincele os pãezinhos com a mistura e salpique-os generosamente com o açúcar demerara. Asse por 20-25 minutos ou até que dourem bem.
Deixe esfriar na forma por 15 minutos, e então desenforme e coloque-os sobre uma gradinha virados para cima. Sirva mornos ou em temperatura ambiente.

Rend.: 12 unidades


segunda-feira, março 10, 2014

Brownies com Oreos, decisões fáceis e difíceis

English version

Cookies and cream fudge brownies / Brownies com Oreos

Mulheres, vamos falar sobre cabelo? ;)

Há meses venho pensando em cortar o cabelo curtinho (o chamado joãozinho/pixie cut), enquanto ao mesmo tempo mantenho em mente a ideia de deixar o cabelo crescer (no momento está na altura do queixo). Não uso cabelo comprido há vários anos por motivos de a) amar cabelo curto e b) não ter paciência para deixá-lo crescer. E assim vai: um dia decido que vou deixar o cabelo passar pelo menos dos ombros e no outro lembro do cabelo lindo da Elisabeth Moss no Emmy do ano passado e me apaixono por cabelo curto de novo.

Sou doida, eu sei. :D

Ah se as coisas fossem fáceis de decidir na vida como são na cozinha: quando minha irmã me perguntou o que fazer com um pacote de Oreos eu imediatamente respondi "brownies!" - não demorei nada para decidir. :) Estes são uma receita da Lorraine Pascale e são muito gostosos: acabei assando-os um pouquinho menos e a textura ficou parecida com a dos brownies de Guinness que fiz um tempo atrás - algo bem bem, na minha opinião. :D

Brownies com Oreos
do Baking Made Easy

165g de manteiga sem sal
200g de chocolate meio-amargo ou amargo, picadinho – usei um com 53% de cacau
3 ovos grandes
2 gemas grandes
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
165g de açúcar mascavo claro
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de cacau em pó, sem adição de açúcar
1 pitada de sal
180g de Oreos, cortados em quatro partes

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando sobras em dois lados opostos, formando “alças”, e unte o papel também.
Derreta a manteiga em uma panelinha em fogo médio. Retire do fogo, junte o chocolate e aguarde dois minutos. Misture até derreter.
Na batedeira, bata os ovos, as gemas e a baunilha até obter uma mistura clara e fofinha. Junte o açúcar em duas adições, batendo bem após cada uma – acrescente o açúcar pelas beiradas da tigela para não perder o ar incorporado aos ovos. Continue batendo até que a mistura fique espessa. Junte o chocolate derretido, novamente pelas beiradas da tigela.
Peneire a farinha, o cacau e o sal sobre a mistura, junte 1/3 dos biscoitos picados e misture gentilmente com uma espátula até incorporar. Transfira a massa na forma preparada e espalhe o restante dos biscoitos sobre ela, afundando-os levemente. Asse por 25-30 minutos no centro do forno ou até que o meio do brownie ainda esteja bem úmido e molinho. Deixe esfriar completamente na forma. Corte em quadradinhos para servir.

Rend.: 16 unidades

sábado, março 08, 2014

Polentanella (salada de tomate, manjericão e polenta) e três personagens que parecem ser o mesmo

English version

Polentanella (polenta tomato and basil salad) / Polentanella (salada de tomate, manjericão e polenta)

Enquanto via “Hannibal” dias atrás percebi algo sobre Raúl Esparza: já o vi em três seriados diferentes e ele parece interpretar o mesmo personagem em todos eles. Dr. Chilton não é muito diferente de Rafael Barba, que por sua vez é bem similar ao promotor ao qual ele deu vida em “Law and Order: Criminal Intent”.

Sei que nem todo mundo nasce Leonardo DiCaprio ou Christian Bale, mas seria bacana ver Esparza interpretando alguém diferente – talvez ele esteja mesmo estereotipado (beijo, Ray Liotta).

Mudanças são boas para atores – nos anos oitenta quem imaginaria que Tom Hanks se tornaria um ator dramático tão talentoso? – e são boas também quando o assunto é comida: esta salada nada mais é do que uma panzanella em que o pão foi substituído por pedacinhos crocantes de polenta. Achei que ficou uma delícia e com a adição da mozarela a salada se tornou uma refeição substanciosa, ótima para o verão.

Polentanella (salada de tomate, manjericão e polenta)
adaptada da sempre maravilhosa Delicious Australia

400ml de caldo de legumes
400ml de água
200g de polenta instantânea
40g de parmesão ralado
½ xícara (120ml) de azeite de oliva extra-virgem
450g de tomates cereja
½ cebola, em fatias bem fininhas
2 colheres (sopa) de vinagre de vinho tinto
1/3 xícara de pimentões assados, drenados e picados
3 colheres (sopa) de alcaparras, escorridas
2 pepinos pequenos*, picados
1 punhado de manjericão fresco, só as folhas
250g de mozarela de búfala, rasgada

Unte uma forma quadrada de 20cm. Em uma panela grande, junte a água e o caldo e deixe ferver. Junte a polenta e mexa até homogeneizar. Cozinhe em fogo médio, mexendo, até engrossar. Retire do fogo, junte o parmesão, tempere com sal e pimenta e espalhe na forma untada. Deixe esfriar. Leve à geladeira até firmar (cerca de 1hora).
Pré-aqueça o forno a 220°C e forre uma assadeira grande com papel alumínio.
Desenforme a polenta e corte em tiras de 2cm de diâmetro, e então quebre-as em pedacinhos de 2cm. Transfira para a forma forrada e regue com 2 colheres (sopa) do azeite. Asse por 30 minutos ou até que a polenta doure e fique crocante por fora. Corte metade dos tomates cereja ao meio e coloque-os na assadeira da polenta com o lado cortado para cima. Regue com 1-2 colheres (chá) do azeite, tempere com sal e pimenta e asse por 15 minutos ou até que fiquem macios.

Molho: coloque a cebola e o vinagre em uma tigelinha e reserve por 15 minutos. Junte o azeite restante, tempere com sal e pimenta e misture.
Em uma tigela grande, junte os tomates frescos, o pimentão assado, as alcaparras, o pepino e metade do manjericão. Regue com o molho e misture gentilmente. Acrescente os tomates assados e os pedacinhos de polenta e misture novamente. Cubra com a mozarela e o manjericão restante e sirva.

* a receita original pede por pepinos do tipo libanês – usei o comum (de casca mais fina)

Rend.: 4 porções generosas

quinta-feira, março 06, 2014

Bolo de marzipã e limão siciliano e uma season premiere bem sem graça

English version

Lemon and marzipan drizzle cake / Bolo de marzipã e limão siciliano

Por causa do fantástico “Top of the Lake” comecei a assistir a “Mad Men” novamente – acho que deu saudadinha da adorável Peggy Olson. :)

Três episódios da sexta temporada e para mim o seriado perdeu mesmo o brilho – não me lembro de uma season premiere tão sem graça, e por que raios a fizeram tão longa se não tinha nada de interessante nela? Os responsáveis deveriam ter umas aulinhas com quem está por trás da season premiere de “Hannibal”.
Vou continuar vendo “Mad Men” por curiosidade – quero saber como as coisas serão levadas até o final da série, que está próximo –, mas certamente não será uma prioridade: Dr. Lecter está de volta, “Sons of Anarchy” está bem interessante e há ainda alguns episódios com um dos meus vilões favoritos de todos os tempos – sim, decididamente “Mad Men” pode esperar. :)

Havia algo na minha geladeira que não poderia esperar: o marzipã que sobrara deste bolo tinha de ser usado logo já que só dura um mês na geladeira. Acabei preparando duas receitas deliciosas com ele e uma delas foi este bolo de limão siciliano: úmido, saboroso e irresistível, ele fica ainda mais gostoso no dia seguinte ao preparo – se durar até lá. :)

Bolo de marzipã e limão siciliano
um tiquinho adaptado daqui

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
1 xícara (225g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
1 xícara + 2 colheres (sopa) - 225g - de açúcar cristal
raspas da casca de 3 limões sicilianos
suco de 1 limão siciliano
150g de marzipã, em pedacinhos de cerca de 1cm – usei caseiro
4 ovos grandes
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara + 1 colher (sopa) - 150g - de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
1 xícara (100g) de farinha de amêndoa

Calda:
suco de 2 limões sicilianos
2 colheres (sopa) de Amaretto (opcional)
4 colheres (sopa) de açúcar cristal (reduza para 3 se omitir o Amaretto)

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma redonda funda de 20cm de diâmetro, forre o fundo com um círculo de papel manteiga e unte o papel também.
Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar até conseguir um creme claro e fofo. Junte as raspas de casca e o suco dos limões e o marzipã (tente manter os pedacinhos separados uns dos outros). Junte os ovos, uma um, batendo bem a cada adição. A mistura pode talhar por causa do suco de limão, mas não se preocupe, prossiga com a receita. Junte a baunilha.
Peneire a farinha de trigo, o fermento e o sal sobre a massa, junte a farinha de amêndoa e bata em velocidade baixa somente até a massa homogeneizar. Transfira para a forma e alise a superfície. Asse no centro do forno por 20 minutos, e então baixe a temperatura para 170°C e asse por mais 50 minutos* (caso o bolo comece a dourar demais, cubra-o de maneira frouxa com um pedaço de papel alumínio, mas somente faça isso depois de 30 minutos de forno).
Quando faltar cerca de 5 minutos para que o bolo esteja pronto faça a calda: coloque o suco de limão e o Amaretto em uma panelinha e leve ao fogo médio até que comece a ferver. Junte o açúcar e cozinhe em fogo médio por 1 minuto. Retire do fogo. Quando o bolo estiver assado, faça furinhos em sua superfície com um palito de dente e despeje a calda aos poucos, esperando que ela seja absorvida pelo bolo. Deixe o bolo esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Desenforme com cuidado, retire o papel e transfira para um prato.
O bolo pode ser guardado em um recipiente hermético por 3-4 dias.

* assei o bolo o tempo todo a 180°C, num total de 60 minutos
Rend.: 8-10 porções

sexta-feira, fevereiro 28, 2014

Biscotti de fubá e pistache e de volta ao drama

English version

Cornmeal-pistachio biscotti / Biscotti de fubá e pistache

Às vezes tento não ser uma criatura de hábitos, mas pelo jeito falho miseravelmente nisso. Depois de ver um drama sombrio atrás de outro, achei que precisava respirar – era hora de uma comédia. Para evitar repetir o erro de meses atrás, pedi à querida Amanda umas dicas e ela, apesar de curtir dramas tanto quanto eu comentou comigo algo sobre “Community”, “Parks and Recreation” (que eu já adoro) e “30 Rock” – já li tanto sobre a última e como nunca vira nenhum episódio inteiro resolvi começar por ela.

Assisti ao piloto e achei engraçado e inteligente; entretanto, no final senti que faltava algo – talvez os músculos tensos ou os dentes rangendo, não sei. Um dia depois eu estava de volta ao drama, desta vez acompanhada de ninguém menos do que Hellboy e Peggy Bundy – se isso não for perfeição pura eu não sei o que é. :D

Toda vez que me dá vontade de assar biscoitos tenho que lutar contra o impulso de preparar biscotti – eles são fáceis de fazer, deliciosos e duram bastante em uma lata bem fechada, ou seja, tem como não amar? :) Às vezes consigo variar um pouco, mas acabo voltando para o meu vício – desta vez fui atraída pela adição de cornmeal (usei fubá) à massa, o que achei uma ideia deliciosa.

Biscotti de fubá e pistache
um nadinha adaptados do The Zuni Cafe Cookbook

- xícara medidora de 240ml

125g de pistaches sem sal
¼ xícara (56g) de manteiga sem sal gelada
½ xícara + 2 colheres (sopa) - 125g - de açúcar cristal
1 ovo grande gelado
1 colher (chá) de extrato de baunilha
2 colheres (chá) de Amaretto
1 ¼ xícaras (155g) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de fubá
1 colher (chá) de fermento em pó
¼ colher (chá) de sal

Pré-aqueça o forno a 165°C. Forre uma assadeira grande, de beiradas baixas, com papel manteiga.
Em outra assadeira pequena, toste os pistaches no forno até que perfumem. Deixe esfriar e então pique ¼ deles finamente, e pique grosseiramente o restante.
Na batedeira, bata a manteiga e o açúcar rapidamente, só até a manteiga começar a ficar cremosa. Junte o ovo, a baunilha e o Amaretto. Em outra tigela, misture os pistaches, a farinha, o fubá, o fermento e o sal. Acrescente à mistura de manteiga e misture até homogeneizar.
Divida a mistura em duas partes iguais e forme um cilindro de aproximadamente 2,5cm de espessura com cada metade (se necessário, polvilhe a bancada com um pouquinho de farinha). Transfira os cilindros para a assadeira forrada deixando um bom espaço entre eles, pois vão inchar no forno. Asse até que dourem e firmem levemente na superfície, mas ainda aceitando uma leve pressão se tocados, 15-20 minutos (gire a assadeira durante o cozimento caso um lado esteja dourando mais do que o outro). Não asse por menos tempo do que o recomendado ou o fermento em pó não cumprirá sua função e os biscotti ficarão duros e densos em vez de crocantes e com uma boa textura.
Transfira o papel com os cilindros de biscoito para uma gradinha e deixe esfriar por 5-8 minutos – enquanto isso, aumente a temperatura do forno para 180°C.
Corte os cilindros na diagonal em fatias de aproximadamente 1,25cm. Forre a assadeira ainda morna com papel manteiga e coloque sobre ele as fatias de biscoito com o lado cortado virado para cima. Asse por mais 5 minutos ou até que dourem levemente. Deixe esfriar completamente.
Guarde em recipiente hermético.

Rend.: cerca de 30 unidades

quarta-feira, fevereiro 26, 2014

Bolo de mel, identificação com personagens e "Philomena"

English version

Honey cake / Bolo de mel

Acho que é parte de assistir a filmes/seriados de TV identificar-se ou não com personagens, analisar se agiríamos como eles em certas situações – por exemplo, eu jamais ficaria em uma cabana no meio da floresta e certamente nunca entraria em um sótão (ou porão) escuro sozinha com nada além de uma vela acesa. :D

Falando de um assunto mais sério, assisti a “Philomena” ontem e no final do filme achei que pudesse ter sido chamado de “Pollyanna”.

Judi Dench está espetacular – como sempre – e há vários momentos engraçados desenvolvidos pela personagem (que me lembrou a minha avó paterna – ela fala o que lhe vêm à cabeça, sem filtro nenhum). Entretanto, me incomodou demais a maneira como Philomena lida com as situações que enfrenta, não consegui entender e por isso não consegui me identificar – na verdade, eu me vi no jornalista, eu teria me comportado bem ao jeito de Martin Sixsmith, ou até pior, creio. SPOILERS Eu teria quebrado aquele convento inteirinho e teria socado aquela freira como se não houvesse amanhã – não haveria perdão para algo tão cruel e monstruoso. FIM DOS SPOILERS

Há uma cena no filme em que o personagem de Steve Coogan está tomando chá e fica doidinho com o bolo servido – eu me senti assim com este bolo de mel: é extremamente simples – sem cobertura, recheio, nada – e ainda assim seu sabor e sua textura são absolutamente divinos. Um par perfeito para uma xícara de chá ou café.

Bolo de mel
um tiquinho adaptado do lindo e delicioso National Trust Simply Baking

115g de mel de sabor suave
115g de manteiga sem sal, amolecida
115g de açúcar cristal
2 ovos médios*
1 colher (chá) de extrato de baunilha
225g de farinha de trigo
1 ½ colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
½ colher (chá) de canela em pó
¼ colher (chá) de noz-moscada ralada na hora
cerca de 100ml de leite integral, temperatura ambiente, se necessário
açúcar de confeiteiro, para polvilhar

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre o fundo com papel manteiga e unte o papel também.
Se o seu mel estiver muito espesso ou cristalizado, aqueça-o em banho-maria até dissolver e espere amornar.
Na tigela da batedeira, bata a manteiga e o açúcar até obter um creme claro e fofo. Junte o mel aos poucos, batendo, seguido dos ovos, um a um. Junte a baunilha. Peneire a farinha, o fermento, o sal, a canela e a noz-moscada sobre a massa e incorpore gentilmente com uma espátula de silicone, misturando de baixo para cima. Se necessário, acrescente o leite aos poucos e misture até obter uma massa que caia da colher em grandes pingos (eu usei somente 60ml dos 100ml pedidos na receita). Transfira a massa para a forma e alise a superfície.
Asse por cerca de 30 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 30 minutos, e então desenforme com cuidado. Remova o papel e vire o bolo de volta na gradinha. Deixe esfriar completamente e polvilhe com açúcar de confeiteiro antes de servir.

* sempre compro ovos do tipo grande, então escolhi os 2 menores da embalagem para usar na receita

Rend.: 16 porções

segunda-feira, fevereiro 24, 2014

Barrinhas de damasco e coco para espantar a tristeza

English version

Coconut and apricot bars / Barrinhas de damasco e coco

Eu e minha irmã nos revezamos ao escolher os filmes que vemos juntas no cinema, e sábado foi a vez dela: eu queria “Robocop”, mas ela optou por “A Menina Que Roubava Livros”.

Não li o livro, por isso não posso dizer se o filme é fiel a ele, mas no geral gostei da história e, na verdade, assisto a qualquer coisa com Emily Watson e Geoffrey Rush. Entretanto, senti uma tristeza enorme no final – filmes sobre o nazismo nunca são fáceis de ver, mas já assisti a outros mais explícitos sobre o assunto e não consegui descobrir ainda o porquê de a história de Liesel ter ficado na minha cabeça desse jeito.

Fui para casa pensando no filme e tentei me distrair com um tempo de esteira, mas não funcionou. Daí decidi preparar alguma coisa gostosa (tinha de ser doce) e todo aquele açúcar e coco e damasco fizeram com que a tristeza saísse da minha mente por um momento – quando tirei a assadeira do forno já me sentia um pouco mais leve e ainda tive um docinho para beliscar enquanto via outro episódio de “House of Cards” – os Underwoods me deixam tão nervosa que eu teria roído todas as minhas unhas.

Barrinhas de damasco e coco
um tiquinho adaptadas de uma receita do Bill Granger publicada no site do jornal The Independent

Base:
120g de manteiga sem sal, derretida
120g de açúcar cristal
50g de coco em flocos adoçados
150g de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
1 ovo, ligeiramente batido com um garfo
180g de damascos secos picados

Cobertura:
150g de coco em flocos adoçados
50g de açúcar cristal
1 ovo, ligeiramente batido com um garfo
1 pitada de sal
1 colher (chá) de extrato de baunilha
3 colheres (sopa) de geleia de damasco

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando sobras em dois lados opostos, formando “alças”, e unte o papel também.
Base: em uma tigela grande, misture a manteiga derretida, o açúcar, o coco, a farinha, o fermento, o sal e o ovo até obter uma massinha. Transfira para a forma e espalhe formando uma camada homogênea. Espalhe os damascos sobre a base e leve ao forno por 15-20 minutos ou até que base comece a dourar nas extremidades.
Cobertura: em uma tigela média, misture o coco, o açúcar, o ovo, o sal e a baunilha até obter uma espécie de cocadinha úmida. Retire a forma do forno e espalhe a geleia sobre a base. Com duas colheres, espalhe a cobertura sobre a geleia, formando montinhos. Volte ao forno por mais 20-30 minutos ou até que a cobertura doure. Deixe esfriar completamente na forma. Corte em quadradinhos para servir.

Rend.: 16 porções

sexta-feira, fevereiro 21, 2014

Bolo de avelã, coco e canela, uma minissérie ótima e um Globo de Ouro bastante merecido

English version

Hazelnut, cinnamon and coconut cake / Bolo de avelã, coco e canela

Gosto de assistir a premiações de cinema e TV por basicamente duas razões: é bacana ver os meus atores e diretores favoritos serem reconhecidos – o que, infelizmente, não acontece com a frequência que eu gostaria – e também adoro ver as roupas e os penteados usados pelas estrelas (para depois comentar os erros e os acertos). :D

Há, entretanto, outra razão bem boa: seriados e filmes dos quais ainda não ouvi falar, coisas interessantes para procurar e talvez adicionar à minha já longa lista.
Foi por causa da vitória de Elisabeth Moss no Globo de Ouro este ano que fiquei sabendo sobre “Top of the Lake”, e que minissérie excelente: uma história sombria criada e dirigida por Jane Campion – uma diretora danada cujo trabalho admiro – que se passa em locações lindíssimas na Nova Zelândia, com roteiro e atuações ótimos. Eu já gostava de Elisabeth Moss como Peggy Olson – provavelmente a melhor coisa de “Mad Men” – e aqui ela está ainda mais fantástica; Moss realmente mereceu o GG que levou para casa, e eu não sei como eles puderam ignoram Peter Mullan, absolutamente incrível como o assustador Matt.

Assim como “The Fall”, “Top of the Lake” discute a violência contra mulheres e suas consequências – um assunto nada fácil de assistir, mas que precisa ser mostrado (e aqui isso é feito de uma maneira bastante realista).

Viciei em “Top of the Lake” depois de apenas alguns minutos e vi todos os sete episódios em alguns dias (é uma pena que não haverá outras temporadas); toda vez que eu via os personagens andando perto daquela água gelada me dava vontade de tomar uma xícara de chá – e um pedaço de bolo não seria nada mal, também. :D

Esta é uma receita que preparei por ter achado a combinação de avelãs, canela e coco bem incomum, e no final ficou bem gostosa – sem contar que o iogurte ainda deixa o bolo úmido e macio.

Bolo de avelã, coco e canela
um tiquinho adaptado da sempre fantástica revista Delicious UK

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
4 ovos médios*
2 xícaras (400g) de açúcar cristal
230g de farinha de trigo
50g de amido de milho
1 colher (chá) de fermento em pó
1/8 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de canela em pó
185ml de óleo de canola
420g de iogurte natural integral
1 xícara (100g) de coco em flocos adoçados
100g de avelãs, levemente tostadas, frias e picadinhas

Para polvilhar o bolo:
50g de açúcar de confeiteiro
¼ colher (chá) de canela em pó

Pré-aqueça o forno a 180°C. Unte generosamente com manteiga uma forma de furo central (tipo Bundt) com capacidade para 12 xícaras de massa – se a forma não for antiaderente, enfarinhe também (eu fui teimosa, usei uma de 10 xícaras e tive de assar a massa que sobrou em uma forminha pequena de 240ml).
Na batedeira, usando o batedor de arame, bata os ovos e o açúcar até obter um creme claro e fofo. Em uma tigela grande, peneire juntos a farinha, o amido, o fermento, o sal e a canela. Junte o óleo, o iogurte, o coco e as avelãs e misture para incorporar. Junte a mistura de ovos e misture.
Despeje a massa na forma preparada e asse por 1 hora/1 hora e 20 minutos ou até que o bolo cresça e doure (faça o teste do palito). Deixe o bolo esfriar na forma sobre uma gradinha por 15 minutos e então desenforme com cuidado sobre a gradinha. Deixe esfriar completamente.
Em uma tigelinha, misture o açúcar de confeiteiro e a canela. Polvilhe a mistura sobre o bolo.

* sempre compro ovos do tipo grande, então escolhi os 4 menores que havia na embalagem para usar na receita

Rend.: 10-12 porções

quarta-feira, fevereiro 19, 2014

Madeleines de baunilha, limão e sementes de papoula e uma personagem muito interessante

English version

Lime, vanilla and poppy seed madeleines / Madeleines de baunilha, limão e sementes de papoula

Os mais jovens me lendo agora provavelmente não se lembrarão disso, mas lá nos idos dos anos 90 um grupo pop chamado Spice Girls se tornou um sucesso estrondoso e seu principal motto era “girl power” – eu tinha uns dezoito anos quando “Wannabe” foi lançada e, na época, eu não achava que houvesse algo de empoderador às mulheres no que o grupo cantava ou dizia (e, pra ser sincera, agora aos 35 continuo não entendendo).

De volta para o presente: por causa do que eu andei assistindo, o Netflix me sugeriu “The Fall”, e eu fiquei imediatamente interessada no seriado tanto por causa de sua natureza sombria quando por Gillian Anderson – e assim fui apresentada a Stella Gibson, a personagem mais feminista que vi em séries de TV e definitivamente uma das mais interessantes. Conforme fui assistindo aos cinco episódios de “The Fall” (e desejando que estes cinco fossem quinze, vinte), mais fui gostando do personagem de Gillian e mais a achei a personificação do tal “girl power”, muito mais do que um slogan vazio gritado do topo de um hotel em Cannes.

O jeito como Stella se comporta e as coisas que diz no seriado são realmente fantásticos – acredito que ela esteja mandando uma mensagem a todos que assistem, e é uma mensagem bastante positiva. Esse tipo de personagem feminina forte é uma delícia de ver e Gillian Anderson a interpreta com perfeição – a boa notícia é que uma segunda temporada será filmada, e mais “girl power” de verdade vem por aí. \0/

E já que este é um post feminista sobre uma personagem feminista, nada melhor do que um docinho com nome de mulher para acompanhá-lo.

Madeleines de baunilha, limão e sementes de papoula
ligeiramente adaptadas da sempre lindíssima Gourmet Traveller

80g de manteiga sem sal
raspas da casca de 1 limão taiti grande
65g de açúcar cristal
1 fava de baunilha, cortada ao meio no sentido do comprimento, sementinhas removidas com as costas da faca
½ colher (sopa) de açúcar mascavo claro
2 ovos, temperatura ambiente
½ colher (sopa) de mel de sabor suave
1 colher (chá) de extrato de baunilha
115g de farinha de trigo
1 pitada de sal
½ colher (sopa) de sementes de papoula - comprei as minhas fora do Brasil
½ colher (chá) de fermento em pó
manteiga derretida, para untar as forminhas
açúcar de confeiteiro, para polvilhar

Derreta a manteiga em uma panelinha em fogo baixo, retire do fogo, junte as raspas de casca de limão e reserve até chegar à temperatura ambiente (2-3 minutos).
Coloque o açúcar cristal e as sementinhas de baunilha na tigela da batedeira e esfregue os ingredientes com as pontas dos dedos até o açúcar ficar aromatizado. Junte o açúcar mascavo, os ovos, o mel e o extrato de baunilha e bata até obter um creme claro e fofo (4-5 minutos). Peneire a farinha, o fermento e o sal sobre a massa, junte as sementes de papoula e incorpore gentilmente com uma espátula de silicone, mexendo de baixo para cima. Adicione a manteiga aos poucos e misture gentilmente, de baixo para cima. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 4 horas ou até de um dia para o outro.
Pré-aqueça o forno a 200°C. Unte com manteiga derretida 22 forminhas de madeleine com capacidade para 2 colheres (sopa) cada. Leve à geladeira por 10 minutos. Unte-as novamente com manteiga e refrigere por mais 10 minutos. Divida a massa entre as forminhas (sem espalhar) e asse até que as madeleines cresçam e dourem (8-10 minutos). Desenforme imediatamente sobre uma gradinha.
Polvilhe com açúcar de confeiteiro. Sirva morninhas ou em temperatura ambiente.

Rend.: 22 unidades

Related Posts with Thumbnails